Em agenda conjunta, Haddad e Padilha anunciam municipalização de hospital

Nova unidade funcionará no Belém, na zona leste, e está em processo de desapropriação; anúncio aconteceu em inauguração de unidade da Rede Hora Certa, na Lapa

Artur Rodrigues,

06 de janeiro de 2014 | 12h51

 SÃO PAULO - Na primeira agenda conjunta do ano, o prefeito Fernando Haddad (PT) e o ministro e provável candidato ao governo do Estado, Alexandre Padilha (PT), anunciaram nesta segunda-feira (6) a municipalização de um novo hospital na cidade. Trata-se do Hospital Vasco da Gama, no Belém, na zona leste. 

"O Hospital Vasco da Gama é muito importante como estrutura de retaguarda", disse Padilha, durante inauguração de uma unidade da Rede Hora Certa, no Hospital Sorocabana, na Lapa, na zona oeste. A Prefeitura também planeja municipalizar o espaço e está em tratativas com o governo do Estado, responsável pelo prédio. A estimativa do Município é que a reforma do local custe R$ 60 milhões. 

O prefeito Haddad afirma que a municipalização de hospitais particulares fechados são "oportunidades" que a cidade não pode perder. "O Vasco da Gama está há quatro anos fechado. O Santa Marina (que foi municipalizado) estava há quatro anos fechado", disse Haddad.  

"Esse aqui (Sorocabana) estava fechado foi reaberto um andar com a Atendimento Médico Ambulatorial (AMA). Agora, estamos abrindo segundo andar com a Hora Certa e prospectando os próximos cinco", completou o prefeito. A Rede Hora certa inaugurada no Hospital Sorocabana terá capacidade de realizar 8,4 mil consultas, 2,1 mil exames e 200 cirurgias por mês. 

No ano em que o PT tenta conquistar o governo do Estado nas eleições, Haddad ainda pretende iniciar as obras de outros dois hospitais, em Parelheiros, na zona sul, e na Brasilândia, na zona norte. O prefeito afirma que pretende superar a meta da gestão, de criação de mil leitos. 

Haddad também anunciou que em janeiro deve começar uma nova operação na Cracolândia. Ele afirmou que é preciso "aprender com o passado" e não implantar nenhuma ação higienista.  

Uma das estratégias da cidade será dar empregos aos usuários de drogas, em áreas como zeladoria, inspirado em projeto implantado na Holanda. "Vamos dar oportunidade da pessoa fazer um tratamento, de entrar na frente de trabalho, essas pessoas terão apoio para encontrar nem que seja um quarto digno para poder se acomodar e sair da rua", disse. 

Segundo ele, em um censo feito na região, a Prefeitura constatou que a maioria dos usuários de droga da região da Luz é formada por pessoas egressas do sistema prisional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.