Em acesso de fúria homem quase mata mulher em frente ao Shopping Ibirapuera

Vítima caiu na rua após levar soco nas costas e quase foi atropelada por um ônibus

Pedro da Rocha, do estadão.com.br,

02 Março 2012 | 05h51

SÃO PAULO - Após beber com amigos, na noite de quinta-feira, 1, o auxiliar de farmácia Guilherme Fernando dos Santos, de 20 anos, sofreu um acesso de fúria e atacou pessoas que passavam em frente ao Shopping Ibirapuera, no número 3103 da avenida de mesmo nome. Uma das vítimas, uma mulher, caiu na via e quase foi atropelada. Testemunhas acabaram detendo o agressor e chamaram a Polícia Militar (PM).

 

Guilherme disse à polícia que bebia com amigos próximo ao Hospital Alvorada, no número 1942 da Avenida Ibirapuera, onde trabalha, quando teve um lapso de memória. "Ele contou que não tomou nenhum medicamento, mas apenas ingeriu bebida alcoólica. Afirmou não se lembrar de ter saído do bar, apenas de ser preso", relatou o delegado Renato Topam, plantonista do 27º Distrito Policial (DP).

 

Testemunhas contaram para a polícia que, por volta das 20h50, o auxiliar de farmácia desceu de um ônibus em frente ao shopping. Ele então teria tentado agredir duas pessoas com socos, além de ter danificado alguns carros. Uma mulher que chegava no ponto de ônibus foi então atingida com um soco nas costas. "Com o impacto, ela caiu na rua. Um ônibus freou a tempo, mas quase a atropela", disse o jornalista Gilberto Nascimento, de 53 anos, pai desta vítima.

 

Testemunhas ajudaram a mulher agredida e correram atrás de Guilherme. A perseguição durou até o Viaduto dos Bandeirantes, quando ele foi pego. O soldado da Polícia Militar Bruno Andrade, da 3ª Cia do 12º Batalhão, contou que teve que separar Guilherme do grupo, pelo risco de linchamento. "Encaminhamos vítima e agressor ao Hospital São Paulo. Ela com escoriações no rosto e luxação no pulso. Ele sem maiores ferimentos", relatou Bruno.

 

Ambos passariam por exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML). O caso foi encaminhado ao 27º DP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.