Em 30 horas, seis suspeitos são mortos pela PM na zona norte

Cinco casos foram na zona norte, onde moradores chegaram a fechar a Rodovia Fernão 

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

02 de março de 2015 | 09h24

Atualizada às 21h45

SÃO PAULO - Seis suspeitos morreram em confrontos com policiais militares em um intervalo de cerca de 30 horas - cinco na zona norte e um na zona sul de São Paulo. No bairro da Casa Verde, uma perseguição policial resultou na morte de um homem, na madrugada desta segunda-feira, 2. Na noite de sábado, outras quatro pessoas morreram em duas ocorrências diferentes na região do Jaçanã.

Segundo a Polícia Militar, oficiais suspeitaram de duas motocicletas na Avenida Engenheiro Caetano Álvares, na Casa Verde, por volta de 1h35 desta segunda. Houve troca de tiros e um dos suspeitos, Alexandre Silva, de 19 anos, morreu no local.

Às 20h45 de sábado, o empacotador Lucas Vinícius Pereira da Silva, de 17 anos, e um homem que ainda não foi identificado também foram mortos a tiros por policiais militares, na Rua Domingos de Abreu, Jaçanã. De acordo com a Polícia Civil, os dois estavam em um Fiat Palio, que havia sido roubado no dia anterior, e tentaram fugir ao serem abordados pela PM.

Cerca de três horas depois, mais duas pessoas morreram em troca de tiros com policiais a menos de dois quilômetros do lugar da primeira ocorrência. Segundo a PM, na Travessa Berredo, dois homens suspeitos de assaltar um restaurante teriam atirado e os policiais, revidado.

Em protesto contra as mortes, moradores da região chegaram a bloquear a Rodovia Fernão Dias com barricadas e usaram até uma carreta para atravessar a pista. 

Zona sul. Suspeito de agredir a mulher, o mecânico de manutenção Evaldo Bento Souza, de 44 anos, morreu em uma troca de tiros com policiais militares na zona sul da capital paulista, na noite deste domingo. 

Tudo o que sabemos sobre:
ViolênciaPolícia MilitarSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.