Em 30 horas, 5 morrem em confrontos com PM na zona sul de SP

Em assalto a uma casa, três acusados foram atingidos em tiroteios; em outro caso, homens da Rota mataram dois supostos ladrões

FELIPE RESK e RODRIGO SAMY, O Estado de S.Paulo

06 de outubro de 2014 | 02h04

SÃO PAULO - Em cerca de 30 horas, cinco pessoas morreram em confrontos com policiais militares na zona sul de São Paulo. Três foram atingidas por agentes das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), a tropa de elite da Polícia Militar paulista. O primeiro caso foi na região do Jabaquara, e terminou com duas mortes. Depois, outros três suspeitos morreram em troca tiros com a PM, após assaltarem uma casa em Santo Amaro.

Por volta das 17 horas da sexta-feira, 3, policiais militares receberam um alerta do Centro de Comunicação da Rota sobre um Corsa Hatch ocupado por suspeitos armados. Após localizarem o veículo, os agentes bloquearam a Rua Capitão Valdir Alves de Siqueira, no Jabaquara, para impedir a fuga.

O office-boy Edson Martins Araújo, de 38 anos, e o servente Igor Torres de Sousa, de 26 anos, teriam descido do carro atirando, conforme a Polícia Civil. Os agentes da Rota, então, revidaram, atingindo os dois, que morreram no local. Nenhum policial ficou ferido, mas a viatura foi perfurada por três disparos. No veículo, foram encontrados um fuzil calibre 7,62, uma pistola calibre 380 e uma pistola 9 milímetros.

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública (SSP), ambos tinham passagem por tráfico de drogas; Araújo por roubo e Sousa por homicídio. O Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) investiga se houve exagero na abordagem dos policiais.

Um dia depois, outra troca de tiros envolvendo policiais militares resultou na morte de três suspeitos. O caso começou quando a PM foi avisada de um assalto a uma casa na Rua Despraiado, em Santo Amaro. Às 23h10, uma equipe de área da PM foi enviada ao local.

Ao chegarem, os policiais teriam flagrado quatro suspeitos guardando dois notebooks, quatro celulares, instrumentos musicais e até documentos dentro de um Cross Fox, que havia sido roubado na sexta. Segundo a PM, assaltantes teriam atirado ao notar a chegada da viatura.

Em meio ao confronto, três deles fugiram pela porta dos fundos, diz a PM. O quarto suspeito tentou sair com o carro e, segundo a Polícia Civil, fez o dono da casa de escudo, puxando-o pelo cabelo, para conseguir entrar no veículo,

Dentro do carro, o criminoso teria atirado contra os policiais, que revidaram. Na confusão, o refém conseguiu fugir e se esconder atrás de uma viatura. Atingido, o assaltante chegou a ser socorrido, mas morreu.

Outro dos suspeitos, Thiago Bernardes de Souza, de 19 anos, foi preso em flagrante enquanto tentava fugir na direção da Rua Bento Barbosa, próximo do local do crime. Segundo a PM, ele não foi ferido. Os outros dois assaltantes aproveitaram para se esconderem em uma casa, diz a polícia, na Rua Enxovia, em Santo Amaro.

Novo tiroteio. PMs que faziam um cerco na região teriam identificado um desses assaltantes. Em novo tiroteio, o suspeito foi atingido e morreu. Depois, agentes da Rota entraram na casa invadida e encontraram o último assaltante. Houve outra troca de tiros, segundo a PM, e o suspeito também morreu. A identidade dos criminosos mortos ainda é desconhecida.

Nenhum policial ficou ferido. Foram solicitados exames necroscópicos e residuográficos e as pistolas .40 dos PMs foram apreendidas. A PM informa que abriu inquérito policial-militar para averiguar as circunstâncias dos dois casos.

Outros casos. Três homens foram baleados neste domingo, 5, às 14h, na Avenida 23 de Maio, próximo do Parque do Ibirapuera. Segundo a Polícia Militar, cerca de 15 motos passaram por uma viatura do 1º BPTran, que pediu para os motociclistas pararem. A ordem foi desrespeitada e houve troca de tiros.

Um piloto e seu garupa e outro motociclista sozinho foram atingidos. Nenhum policial ficou ferido. Dois feridos foram enviados ao Hospital Municipal Tatuapé e outro para o HC. Um revólver foi encontrado com os suspeitos. 

No Campo Limpo, uma viatura da PM foi atacada por mais de 100 pessoas em motos na tarde deste domingo. Ninguém ficou ferido. Logo depois do ataque, os policiais acionaram o reforço, que conseguiu prender quatro pessoas em flagrante. A polícia investiga se há ligação com o caso da 23 de Maio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.