Em 2,5 meses, choveu em Nova Friburgo o esperado para um ano

Em apenas 2 semanas, cidade registrou 400 mm de chuva, quando a média estimada para todo o período é de 209 mm

Afra Balazina e Valéria França, O Estado de S.Paulo

17 Janeiro 2011 | 00h00

Nos últimos dois meses e meio, o volume de água que atingiu a região serrana foi quase igual ao total da média anual. "Do início do mês a 15 de janeiro, choveu aproximadamente 400 milímetros, 110% acima da média normal - 209 milímetros", diz a meteorologista Josélia Pegorim, da Climatempo. No dia da tragédia, quando começou a chover, a terra não conseguia mais absorver uma gota de água, segundo a meteorologista. "Ela já estava encharcada e passou a escorrer mole, sem controle, avançando sobre a cidade muito além do que conseguiria naturalmente."

 

Veja também:

linkMortes pelas chuvas na Região Serrana do Rio sobem para 633

linkFalta de coordenação afeta ajuda às vítimas da chuva

linkOPINIÃO: Irresponsabilidade em cadeia

linkVeja como fazer doações para moradores do Rio

Janeiro sempre foi o mês do ano com o maior volume de água. Mas o Sudeste do País está sob a influência da Zona de Convergência do Atlântico Sul, um dos fenômenos climáticos que potencializam as precipitações.

O professor Augusto José Pereira Filho, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP, explica que a tendência de chuvas intensas deve perdurar, pois os meses de janeiro têm se mostrado mais chuvosos a cada ano. "Isso pode ser atribuído não às mudanças climáticas globais, mas às mudanças antrópicas nas cidades." O processo de urbanização das grandes e médias cidades contribui para a formação de ilhas de calor e de pancadas de chuvas.

Já está em fase de testes no Instituto Nacional Pesquisas Espaciais (Inpe) um sistema de prevenção a desastres naturais. Segundo o climatologista do instituto, José Marengo, o sistema deve começar a funcionar em dezembro. Mas serão necessárias parcerias com Estados e municípios para que os alertas cheguem à população. "Os dados deverão ser colocados na internet, mas nem todas as pessoas em áreas de risco têm acesso ao computador ou estão conectadas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.