Em 1998, mãe e filha foram absolvidas, mas STF pediu 2º julgamento

Celina e Beatriz Abagge já haviam ficado presas por 3 anos e 9 meses e outros 3 anos em prisão domiciliar quando foram absolvidas no primeiro julgamento, em 1998. Celina está fora desse segundo júri por ter mais de 70 anos, idade em que o tempo de prescrição do crime cai pela metade - 10 anos. Osvaldo Marceneiro e Vicente de Paula foram condenados a 20 anos e 2 meses de prisão por homicídio triplamente qualificado. Davi Soares pegou 18 anos e 8 meses. Por causa dessas condenações o Supremo Tribunal Federal decidiu que Beatriz teria novo julgamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.