Em 1927, a 1ª notícia sobre o 'subterrâneo'

A primeira notícia sobre o metrô paulistano surgiu em 1927, época em que São Paulo vivia a glória do café e tinha orgulho de seus casarões na Avenida Paulista. Poucos carros trafegavam pela cidade entre as muitas charretes usadas para o transporte de elegantes senhores e senhoras.

ROSE SACONI / DO ARQUIVO, O Estado de S.Paulo

02 de setembro de 2012 | 03h02

No dia 2 de setembro daquele ano, o Estado escreveu: "Como único meio de eliminar o congestionamento do Triângulo (no centro da cidade), recomendamos que se dê início a um sistema subterrâneo e de linha em planos diferentes para ser propriedade da cidade e pago por um pequeno incremento nas passagens, devendo a própria seção ser uma estação subterrânea no Largo da Sé e uma linha em direção leste".

Após quatro décadas, a sugestão do Estado começou a ganhar forma. Em 24 de abril de 1968, foi formada oficialmente a Companhia do Metropolitano de São Paulo.

"Inicia-se hoje uma empresa destinada a ombrear-se, dentro de pouco tempo, com as maiores da América Latina", disse o prefeito Faria Lima, anunciando a empreitada.

Em dezembro, começaram as obras. No dia 15, o trânsito foi interrompido para ser fincada a primeira estaca para a construção do metrô, entre a Rua Domingos de Morais e a Avenida Jabaquara.

Em 6 de setembro de 1972, foi dada a largada ao mais eficiente sistema de transporte público da cidade. Do alto do palco montado no pátio do Jabaquara para a cerimônia dos testes, o presidente Emílio Garrastazu Médici apertou um botão que, simbolicamente, inaugurava o primeiro metrô do Brasil.

Aplausos. O percurso experimental, com cerca de 400 metros, foi percorrido a uma velocidade de 20 km/h. Apenas as autoridades embarcaram na primeira viagem.

Do lado de fora, cerca de 2 mil pessoas aplaudiam. Enquanto o trem se aproximava, o então prefeito Figueiredo Ferraz era abraçado pelo governador Laudo Natel.

"O metrô de São Paulo está andando", noticiou o Estado na edição do dia seguinte. E o texto continuava: "No olhar de todos, a curiosidade dos túneis quase raspando no vagão."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.