Em 15 minutos, o nº de mortos de 1 ano

Massacre de Realengo praticamente iguala estatística de adolescentes entre 10 e 14 anos assassinados na capital do Rio em 2009

, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2011 | 00h00

Os 66 tiros disparados por Wellington Menezes de Oliveira em 15 minutos mataram no Rio quase o mesmo número de adolescentes de 10 e 14 anos assassinados em 2009 na capital fluminense. A tragédia também deixou mais meninas dessa faixa etária mortas do que em qualquer capital brasileira no ano retrasado.

O massacre em Realengo teve 12 adolescentes mortos até o momento - ainda há vítimas em estado grave. Em 2009, último ano com dados consolidados pelo Sistema de Informações sobre Mortalidade do Ministério da Saúde, 13 foram assassinados ao longo do ano na cidade do Rio de Janeiro. Outro dado relevante aponta que nenhuma capital brasileira teve tantas meninas assassinadas, dos 10 aos 14 anos, em um ano, quanto na tragédia de Realengo. Naquele ano, cinco garotas foram mortas no Rio - no massacre da Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, foram dez meninas mortas.

Em São Paulo, os números são semelhantes. Foram dez adolescentes da mesma faixa etária mortos na capital em 2009, três do sexo feminino. Em todo o Brasil, 161 adolescentes acabaram assassinados no período. Desses, 29 eram meninas (18%).

Relevância. Segundo o pesquisador do Núcleo de Estudos da Violência da USP Renato Antônio Alves, os números reafirmam o alcance da tragédia em Realengo. "Aponta para o fato de que uma pessoa desequilibrada, com arma de fogo na mão, pode provocar um massacre de tamanha dimensão em tão pouco tempo", explica o especialista.

O pesquisador da USP diz que em tragédias dessa natureza é comum que os números chamem a atenção. "Quando as mortes ocorrem a conta-gotas, não despertam tanta comoção. Por outro lado, mesmo que ele tivesse provocado uma única morte, já seria um caso relevante", explica Alves.

Salvador

A capital da Bahia liderou no ano retrasado o ranking de assassinatos no início da adolescência. Foram registradas 22 mortes - 19 de garotos e três de garotas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.