Em 1 mês, 2,9% dos motoristas são presos após bafômetro

A redução de mortes foi de 63% nas três semanas após a sanção da lei, na comparação com semanas anteriores

Ricardo Valota, estadao.com.br

21 de julho de 2008 | 07h43

Entre as 22 horas de domingo e as 4 horas desta segunda-feira, policiais militares do 34º Batalhão, de Trânsito, realizaram mais uma Operação Direção Segura em algumas das principais avenidas da capital paulista com o objetivo de inibir motoristas que insistem na perigosa combinação álcool e volante. Essa foi a quarta madrugada consecutiva em que os policiais realizaram as blitze, que tiveram início no dia 20 de junho na capital. Nesta madrugada, dos 89 motoristas abordados, a maioria na zona sul da cidade, 41 foram submetidos ao teste do bafômetro para medir a quantidade de álcool por litro de ar expelido. Três dos condutores, por apresentarem nível de álcool acima de 0,29 mg, foi conduzido ao 102º Distrito Policial, da Capela do Socorro. Outros três motoristas, com nível entre 0,1 e 0,29 mg, foram multados no local da abordagem e tiveram de seguir viagem sem o veículo. Quinze motoristas, mesmo não estando embriagados segundo o bafômetro, foram multados por outras infrações. Até agora, 2.260 motoristas foram submetidos ao teste do bafômetro. Destes, 65 (2,9%) foram autuados por embriaguez e levados para a delegacia, respondendo criminalmente pela infração. Um total de 172 condutores apenas foi multado pela Polícia Militar e liberado em seguida. Pela lei, quem for pego pelo bafômetro com uma margem entre zero e 0,09 mg de álcool/litro de ar expelido não é considerado infrator e acaba liberado. De 0,1 a 0,29 mg, paga-se uma multa de R$ 957,20 e corre-se o risco de ter a carteira de habilitação suspensa de 12 a 24 meses; acima de 0,3 mg, além de pagar a multa e correr o risco de perder a habilitação, o infrator é levado para a delegacia, responde criminalmente, podendo pegar uma pena que varia de 6 meses a 3 anos de detenção e só é liberado para responder em liberdade após pagar uma fiança de R$ 300 a R$ 1.200.

Tudo o que sabemos sobre:
Lei Seca

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.