Eloá teve piora significativa após cirurgia, diz médico

Neurocirurgião afirma que evolução esperada após a intervenção não aconteceu

Redação,

18 de outubro de 2008 | 09h41

O neurocirurgião Marco Túlio Setti, que operou a jovem Eloá Cristina Rodrigues, 15 anos, afirmou nesta manhã que ela teve uma "piora significativa" nas últimas horas. Uma melhora na resposta aos estímulos era esperada pelos médicos nas primeiras horas após a cirurgia, que foi realizada no final da noite de sexta-feira. Ele afirmou que o trajeto da bala foi muito longo e atingiu grande parte do cerébro, e se alojou no cerebelo. A cirurgia foi feita para "corrigir a destruição" e não para retirar o projétil. Não há expectativa de uma nova cirurgia, segundo o médico. Segundo o médico Marco Túlio Setti, na escala Glasgow de grau de coma, que vai de 3 a 15, seu estado é 3. Mais cedo, o hospital havia informado que ela era grau 4. Em grau 3 não é possível reverter o quadro. Nayara se recupera bem da cirurgia.  Veja também:Mãe de Eloá foi forte, diz diretora do hospitalGoverno assume erro por informações sobre saúde de EloáEloá, 'uma menina falante'; Lindembergue, 'um trabalhador'Especialistas condenam participação de Nayara na negociaçãoPolícia invade, reféns são levadas e seqüestrador é preso 'O que deu errado foi o tiro que ele deu na menina', diz coronel Armas de policiais e seqüestrador são apreendidas para períciaConfira cronologia do seqüestro  Seqüestro em Santo André é o mais longo registrado em SPPai de Nayara diz que foi ‘expulso’ pela PM de escolaGaleria de fotos do seqüestro   Uma nova informação da equipe médica é aguardada às 17h. O secretário municipal de Saúde, Romero Nepomuceno Duarte, afirmou que se não houver nenhum acontecimento extraordinário, a imprensa não deve considerar esperar novas informações antes deste horário.    A jovem está em coma induzido, mas como não apresentou melhora será retirada do coma induzido para ver como ela se encontra do ponto de vista neurológico. As próximas seis horas são "cruciais" afirmou o médico. Se a garota sobreviver corre o risco de ficar em "estado vegetativo permanente", mas o médico evita fazer previsões sobre risco de morte. Mais cedo, a diretora do Centro Hospitalar de Santo André, Rosa Maria Pinto Aguiar, afirmou que, se ela sobreviver, a garota deve ter graves seqüelas e que de um grau de risco de morte entre 0 a 10, Eloá tem 9.  Durante a madrugada, o governador José Serra (PSDB) foi ao Centro Hospitalar prestar solidariedade aos familiares de Eloá e de sua amiga, Nayara, a outra adolescente seqüestrada pelo auxiliar de produção.  O resgate Policiais do Gate invadiram o apartamento onde Alves, de 22 anos, mantinha Eloá, de 15, refém desde às 13h30 de segunda-feira. A invasão aconteceu às 18h08 desta sexta. Lindembergue foi preso e levado por um carro da Polícia Militar ao 6.º Distrito Policial, na Vila Marrey. Ainda não há informações sobre quem teria feito os disparos. Houve um forte barulho de explosão quando a polícia invadiu o apartamento.  Três disparos foram ouvidos no local. Às 18h17 Eloá foi levada do local por uma ambulância. Às 18h18, Nayara foi levada por um carro do SAMU. Os policiais do Gate invadiram o apartamento pela porta do apartamento e por uma janela. O governo do Estado chegou a anunciar que Eloá tinha morrido, se desculpando depois pelo erro. A justificativa é que ela teria sido reanimada na sala de cirurgia - fato negado pelos médicos. 

Tudo o que sabemos sobre:
cirurgiaEloa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.