Eloá leva dois tiros e passa por cirurgia; estado é gravíssimo

Menina, que ficou seqüestrada durante 100 horas, passa por procedimento para retirar bala alojada no cérebro

Giuliana Vallone, do estadao.com.br,

17 de outubro de 2008 | 21h05

A garota Eloá Cristina Rodrigues, 15 anos, seqüestrada durante 100 horas pelo ex-namorado Lindembergue Alves, 22 anos, passa por uma cirurgia para a retirada de uma bala instalada em seu cérebro. O procedimento, que já retirou uma bala da virilha da menina, estava previsto para durar duas horas, segundo informações da assessoria da Prefeitura de Santo André. Segundo Rosa Maria de Aguiar, diretora do hospital e diretora do Samu em Santo André, o risco de morte, de 0 a 10, é de 9. A refém perdeu muito sangue e massa encefálica.   Nayara Vieira, a amiga de Eloá que chegou a ser libertada mas voltou ao apartamento com autorização da Polícia Militar para negociar com Alves, foi atingida na face mas não corre mais risco de morte. De acordo com as informações da assessoria, ela passa agora por uma cirurgia para retirar a bala, que ficou alojada perto da bochecha da menina.   (com Amanda Valeri, da Agência Estado)   Veja também: Polícia invade, reféns são levadas e seqüestrador é preso 'O que deu errado foi o tiro que ele deu na menina', diz coronel Armas de policiais e seqüestrador são apreendidas para perícia Confira cronologia do seqüestro  Seqüestro em Santo André é o mais longo registrado em SP Pai de Nayara diz que foi ‘expulso’ pela PM de escola Jovem disse que ia matar ex-namorada se polícia invadir o local  Galeria de fotos do seqüestro     

Tudo o que sabemos sobre:
Seqüestro em Santo André

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.