Elize Matsunaga denunciou ameaças à PM 25 dias antes de matar o marido

Em ligação ao 190, ela pergunta se poderia trocar a fechadura do apartamento

11 de dezembro de 2012 | 08h03

A bacharel em Direito Elize Araújo Kitano Matsunaga ligou para o 190 em 24 de abril deste ano, 25 dias antes de matar e esquartejar o marido, o executivo Marcos Kitano Matsunaga. Na ligação, Elize relatou à PM que sofria ameaças, que o marido havia saído de casa e perguntou se poderia trocar a fechadura.

 “Isso prova que aquele mar de rosas que ela vivia, como diz a acusação, não é verdadeiro. Ela foi torturada por seis meses”, disse o advogado de defesa, Luciano Santoro. Nova audiência do caso ocorre nesta terça-feira,11.
Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
elize matsunaga, ameaças, yoki

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.