Leonardo Soares/AE
Leonardo Soares/AE

Eleição para Conselho Tutelar tem boca de urna e eleitor trazido de van

Houve problemas na zona leste e no centro da capital; MPE pode pedir a impugnação de candidato que patrocinou irregularidades

Juliane Freitas e Marília Almeida, O Estado de S.Paulo

17 Outubro 2011 | 03h00

O Ministério Público de São Paulo (MPE) registrou ocorrências de boca de urna durante as eleições para conselheiro tutelar, que ocorreram ontem na capital. Segundo a promotora Luciana Tchorbadjian, quatro casos foram confirmados e um boletim de ocorrência foi registrado nas escolas que abrigaram as votações. A Polícia Militar teve de ser chamada.

Um dos casos aconteceu em Lajeado, na zona leste da capital. Após denúncias ao MPE, um promotor verificou que um micro-ônibus transportava cerca de seis eleitores, a maioria de idosos, diretamente para a Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Idemia de Godoy, um dos pontos de votação. A prática é totalmente ilegal.

Além disso, a van distribuía panfletos de uma das candidatas ao conselho da região, Vilma Goiana, o que também é proibido. Tanto o veículo e seus documentos quanto os panfletos na forma de "santinho" foram apreendidos pela polícia e o caso foi registrado no 50.° DP. Vilma não foi encontrada.

Na Escola Municipal Duque de Caxias, na região central da cidade, também foi registrado que um candidato providenciava transporte para que seus eleitores fossem votar. Outros casos foram denunciados em Cangaíba, na zona leste.

De acordo com o MPE, 52 promotores fizeram a fiscalização pelos pontos de votação e foram deslocados conforme as denúncias iam chegando ao Ministério Público. As queixas serão investigadas, caso a caso. Nessa apuração serão avaliadas as irregularidades, que podem acarretar impugnação da eleição dos candidatos envolvidos.

As investigações não devem afetar, no entanto, o resultado das eleições em um primeiro momento. O resultado estava previsto para sair na noite de ontem. A apuração foi totalmente eletrônica.

Números. O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de São Paulo estimou que mais de 150 mil pessoas compareceram às escolas para votar. Houve 438 pontos de votação localizados em prédios municipais na capital e foram convocados para trabalhar 3,3 mil servidores.

A eleição para conselheiro tutelar é facultativa e todos aqueles com título eleitoral de São Paulo puderam votar para escolher novos conselheiros. A eleição oferece 220 candidatos para 44 conselhos, em todas as subprefeituras. Os vencedores tomam posse em 18 de novembro. O salário de um conselheiro tutelar na capital paulista é de R$ 1.490.

2 RAZÕES PARA...

Fiscalizar os conselheiros

1. Eles são responsáveis por encaminhar crianças e adolescentes a serviços públicos de atendimento e proteção. Se fizerem um bom trabalho, vão dar melhores condições de desenvolvimento a milhares de menores.

2. Conselheiros também devem fiscalizar e elaborar propostas a favor de crianças e adolescentes. Um serviço bem feito garante menos problemas sociais no futuro, como criminalidade e desemprego.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.