Eleição na Câmara faz Kassab tirar secretário

Prefeito exonera Marcos Cintra da pasta do Desenvolvimento Econômico só por um dia para que ele volte a ser vereador e vote em seu candidato

Diego Zanchetta, O Estado de S.Paulo

09 de dezembro de 2010 | 00h00

Numa jogada que pode decidir a eleição da presidência da Câmara Municipal de São Paulo, o prefeito Gilberto Kassab (DEM) exonerou ontem o secretário de Desenvolvimento Econômico e do Trabalho, Marcos Cintra. Por apenas um dia, a quarta-feira, ele vai reassumir sua vaga como vereador do PR no lugar de Quito Formiga para votar no vereador José Police Neto (PSDB), candidato de Kassab. Em seguida, reassumirá a pasta no governo municipal.

Formiga era voto certo no outro candidato - Milton Leite (DEM) - e era considerado o fiel da balança para desempatar a disputa a favor do "centrão". Agora, o grupo kassabista afirma contar com o apoio de 28 dos 55 vereadores, número suficiente para levar Police Neto à presidência. Mas a articulação do prefeito acirrou ainda mais os conflitos dos dois grupos rivais que disputam o comando da Casa.

Além de derrubar mais duas sessões de votações ontem, o "centrão", liderado pelo atual presidente da Câmara, Antonio Carlos Rodrigues (PR), protocolou pedido de abertura de CPI para investigar contratos das organizações sociais (OSs) com a Secretaria Municipal de Saúde. "Foi uma clara interferência do prefeito no Legislativo", avaliou Rodrigues, que fez o pedido de expulsão de Cintra do PR, em análise no partido.

O PSC, do vereador e bispo da Renascer Marcelo Aguiar, que apoia o grupo do prefeito, pode voltar para o grupo do atual presidente. Outras incógnitas são os vereadores Gabriel Chalita (PSB) e Jooji Hato (PMDB).

"O prefeito está usando de meios que não fazem parte do processo democrático da eleição", disse Aurélio Miguel (PR), autor do pedido de investigação das OSs - o requerimento teve assinaturas de 19 vereadores.

A Prefeitura não comentou a saída do secretário.

Ontem, a Câmara completou 60 dias sem votar nenhum projeto relevante. A sessão extraordinária para a votação do projeto de concessão dos relógios de rua e dos abrigos de ônibus foi derrubada pelo "centrão".

DUAS RAZÕES PARA...

Prestar atenção na disputa na Câmara

1. No dia 15, será eleito o novo presidente da Câmara. É ele quem decide quais projetos de melhoria da cidade e isenções de impostos devem ser levados à votação no plenário. Também é a pessoa que pode assumir o cargo de prefeito na ausência do chefe do Executivo e do vice.

2. Além de gerenciar um orçamento anual de R$ 450 milhões, o presidente do Legislativo paulistano comanda uma estrutura que conta com 1,9 mil funcionários, emissora de TV com 12 horas de programação diária, agência de publicidade e poder para distribuir as presidências de Comissões Parlamentares de Inquérito do órgão responsável pela fiscalização dos serviços municipais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.