'Ele cresceu com coisas reprimidas dentro dele', diz psiquiatra após vídeo

Para Talvane de Moraes, menções feitas por Welligton ao islamismo e terrorismo dizem sobre época que vivemos

Wilson Tosta / RIO, O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2011 | 00h00

Para o psiquiatra Talvane de Moraes, as menções ao islamismo deixadas por Wellington Menezes de Oliveira são delírios com explicação muito diferente de terrorismo ou conspirações: a época que vivemos. Ele descarta a possibilidade de envolvimento do rapaz com extremismo. A seguir, os principais trechos da conversa.

 Veja também:

 video Em vídeo, atirador diz planejou ataque 'pelos bons'

linkMais uma vítima tem alta; cinco seguem estáveis

mais imagens Religiões se unem em homenagem às vítimas

video Em vídeo, atirador fala sobre motivação do crime

linkVídeo de TV não faz parte do inquérito, diz polícia

especialPasso a passo do atirador dentro da escola

 

Como pode ser descrito o distúrbio de Wellington, a partir do vídeo e das cartas que deixou?

É uma doença mental muito grave. Por hipótese, é um caso de esquizofrenia, onde são frequentes os delírios. São pensamentos ordenados a partir de premissas falsas, que dão interpretação que foge à realidade. Ele é incoerente quando diz que foi à escola para reagir contra as pessoas que fazem mal aos oprimidos e inocentes - as vítimas dele foram essas.

Em alguns escritos, vem à tona a questão religiosa. Por quê?

Um dos tipos de delírio do esquizofrênico é o místico. Ele usa termos religiosos, tese religiosa, mas lhes dá interpretação pessoal. Por exemplo, usa o Corão, mas o Corão não tem nada a ver com o que ele afirma.

A questão de extremismo islâmico está descartada?

Sim. O vídeo dele é muito interessante. Ele pega o modelo dos homens-bomba do Oriente, que gravam vídeo antes da missão suicida. Eles fazem um discurso, mas geralmente com um objetivo lógico, que é servir a uma causa, é político. Wellington não fala nada: vou matar porque não posso aceitar que pessoas más façam mal àqueles que são inocentes e incapazes. Exatamente as pessoas às quais ele fez mal: as crianças. Ele não atingiu nenhum adulto.

Na cabeça dele ele estava matando os colegas que o perseguiram quando era mais jovem?

Não se pode ter certeza. Mas é óbvio que a doença age sobre um quadro pré-existente. Para os doentes mentais, dependendo da época, o conteúdo dos delírios muda. Na Idade Média, o mesmo esquizofrênico delirava com bruxarias e perseguições religiosas. No século passado, vi casos com a questão de viagens espaciais. Recentemente, apareceram delírios com computador, na era da informática.

A maioria dos doentes mentais é pacífica. O que leva um esquizofrênico a ser agressivo?

Isso é uma raridade. Sem dúvida, ele cresceu com uma série de coisas reprimidas dentro dele. O bullying na infância, o abandono, porque era filho adotivo e sabia disso. Mas havia também aspectos biológicos importantes. A mãe biológica era esquizofrênica e possivelmente transmitiu fatores favoráveis à doença. Mas a hereditariedade na doença mental não é direta. É multifatorial. Ter pai ou mãe esquizofrênico não quer dizer que os filhos também serão.

Pelo que o senhor viu nos vídeos e na carta, o que pode mais ser deduzido?

Tudo aponta para esquizofrenia. Os conteúdos dele eram ligados à sua biografia. Por isso esquizofrênicos deliram com conteúdos completamente diferentes: um fala que é perseguido por muçulmanos, outro diz que é o filho de Deus que veio nos salvar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.