Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

'É vida que segue', diz secretário demitido

Ao deixar o cargo, ele defende modelo de combate ao crime organizado centrado em operações da Rota

Entrevista com

Marcelo Godoy - O Estado de S.Paulo,

22 de novembro de 2012 | 02h04

Três anos e meio depois, o secretário que sobreviveu a três governos deixou o cargo. Antonio Ferreira Pinto saiu porque lhe pediram. "Não ia largar meu trabalho pela metade", disse ao Estado. O homem que era chamado de "psicopata" por um de seus colegas de governo por causa de sua intransigência voltará ao Ministério Público Estadual (MPE) - ele é procurador de Justiça. Em meio à guerra não declarada entre Primeiro Comando da Capital e policiais militares, ele defendeu a política de combate à facção por meio do uso das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota). Leia sua entrevista.

Secretário, por que o senhor entregou o cargo?

Antonio Ferreira Pinto  - Ficou acertado na segunda-feira com o governador Geraldo Alckmin que eu entregaria a carta de renúncia. Ele me pediu sigilo e eu o observei, pois ficou acertado que o anúncio seria feito por ele hoje. Você sabe que eu não ia largar o trabalho pela metade. Mas é vida que segue... Tive a alegria de passar três anos e meio na secretaria e a decepção com algumas pessoas. O cargo é do governador. Diante do quadro que se formou e do desejo dele (Alckmin) de mudar, entregarei (ontem à tarde) a carta ao governador (ele escreveu a carta pela manhã e foi à tarde ao palácio entregá-la).

O senhor acredita que o modelo adotado pelo senhor de combate ao crime organizado, usando a Rota em operações de busca e captura, deve ser revisto?

Antonio Ferreira Pinto  - Não pensei sobre isso, se o modelo será desmontado. Vai depender do enfoque do novo secretário (Fernando Grella Vieira), de seus conceitos e da equipe que vai montar. Tudo ainda é muito embrionário.

Mas o que o senhor espera da gestão de seu sucessor?

Antonio Ferreira Pinto  - Conheço o novo secretário e com certeza ele fará um bom trabalho. Além de ser meu amigo, temos muitas afinidades. Ele conhece a realidade do crime organizado até pelo trabalho que ele realizou no Ministério Público coordenado o trabalho dos Gaecos (Grupos Especiais de Combate ao Crime Organizado). Acredito que o novo secretário deve fazer uma análise desse modelo (de enfrentamento do crime organizado).

O seu modelo deu certo, secretário? Ele não estaria por trás da guerra não declarada entre policiais e o crime organizado?

Antonio Ferreira Pinto  - Eu defendo esse modelo e estou seguro de que ele deu certo. Basta ver a quantidade de dinheiro que foi apreendida nessas ações, coisa que não ocorria antes. É preciso verificar a quantidade de armas e de prisões de importantes integrantes da facção, com repercussões dentro da organização e para a criminalidade nas ruas. Mas isso tudo não teve destaque na mídia, porque a imprensa sempre deu mais destaque aos casos em que ocorriam confrontos, tiroteios, apesar de eles serem uma pequena parcela das ações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.