''É uma aventura chegar aos lugares a pé''

Andre Simmank, artista plástico, usa material reciclado

DIANA DANTAS, O Estado de S.Paulo

11 de julho de 2010 | 00h00

Em homenagem à Copa do Mundo, o artista plástico alemão Andre Simmank criou na vitrine de seu ateliê - e casa -, em Pinheiros, a instalação Janela da Copa, em que corações feitos de papel canson trazem a bandeira de cada país do Mundial. Pendurados por um fio de nylon, de acordo com os grupos da competição, cada vez que uma seleção saía, ele retirava e deixava no chão da vitrine, "caídos como folhas" - exceto o que representa a Alemanha que, apesar de ter perdido, ganhou um lugar nobre no canto superior da instalação. Hoje, só restam os finalistas - o vencedor vai ocupar o centro da janela.

País tropical. Simmank chegou a São Paulo há 15 anos e se hospedou na casa de um amigo, em Santo André. Ele já pensava em vir para ficar, mas não na capital paulista. "Quando falam do Brasil, você ouve sobre Amazônia, praias e Rio de Janeiro e aí me perguntei: "O que estou fazendo aqui?"" O objetivo era seguir para Fortaleza, mas ele conheceu a arquiteta Meire Akamine e ela o segurou. "Hoje eu gosto bastante. Aqui é onde tudo acontece; tenho vários amigos", conta.

A pé. Andarilho, o alemão adora andar pela cidade. Vai de sua casa à Avenida Paulista ou ao Sesc Pompeia. "É uma aventura chegar aos lugares a pé. São Paulo é dos carros", afirma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.