É tendência. Só não pode ser espartano

Quando você vende um pacote básico do serviço de transporte de passageiros, o sujeito que não consome todos os "itens" do pacote - alimentação a bordo, bagagens de mão e para despacho - acaba subsidiando aquele que usa. Propor a quebra desse serviço permite ao usuário mais básico pagar mais barato para voar. Cada um pode escolher entre o menu de itens pelos quais precisa ou não pagar. Isso é uma tendência que já é vista nas companhias de baixo custo da Europa.

Análise: André Castellini, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2010 | 00h00

Mas é preciso ter cuidado com os excessos. O consumidor brasileiro não é igual ao europeu - não dá para ser tão espartano na hora de retirar os serviços.

É CONSULTOR NA ÁREA DE AVIAÇÃO COMERCIAL

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.