'É preciso restabelecer a calma', diz FHC sobre conflitos em SP

Ex-presidente disse que o governador Serra tem competência e autoridade para resolver a situação

Eduardo Reina, de O Estado de S. Paulo,

17 de outubro de 2008 | 15h18

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso comentou o conflito entre policiais civis em greve e a Polícia Militar dizendo que "é preciso restabelecer a calma o mais rápido possível". FHC, que esteve, na manhã desta sexta-feira, 17, na inauguração do Centro Cultural da Juventude Ruth Cardoso, disse ainda que quando esteve à frente da presidência da República se viu obrigado a pedir a intervenção das forças armadas para resolver conflitos gerados por movimentação e greve da polícia, como no caso da Bahia. Veja também:Após confronto com PMs, civis se reúnem para analisar greveConfronto entre policiais deixou pelo menos 32 feridosPoliciais civis do País podem parar em apoio à categoria em SPFuturo da greve preocupa e divide sindicatos e associaçõesErro de planejamento piorou situação do conflito entre polícias Serra culpa CUT e PT por confronto entre polícias  'Serra joga nas nossas costas problema que é dele', diz PT-SP  'Teve policial atirando contra o Palácio dos Bandeirantes', conta o jornalista Marcelo Godoy  Galeria de fotos do conflito no Morumbi Policiais civis e militares entram em confronto em SP; assista 'PM tem obrigação de manter a ordem', diz José Serra Manifestação de Polícia Civil foi feita por "minoria", diz Marrey Paulo Pereira da Silva diz que José Serra não está aberto ao diálogo Antes da manifestação, Serra disse que 'não negocia com greve' Todas as notícias sobre a greve   "É uma coisa muito grave (a movimentação da polícia). Eu não posso dizer se há especulação eleitoral ou não", acrescentou o ex-presidente, que disse que o conflito envolveu pessoas próximas às eleições, "como deputados estimulando uma massa que eu acho que eles deveriam acalmar." Para Fernando Henrique Cardoso, o governador tem competência, autoridade e fará de tudo para resolver a situação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.