É possível adotar o 'sinal de vida' na capital paulista?

Em pauta

, O Estado de S.Paulo

10 de maio de 2010 | 00h00

SimDesde 1968, a Convenção de Viena sobre Trânsito impõe aos países signatários (o Brasil é um deles) a preferência de passagem dos pedestres nas travessias a eles destinadas. Essa prioridade foi adotada em lei, mas não foi cumprida em todo o País. Em Brasília, respeita-se a preferência. Há 13 anos, esse respeito não depende da boa educação. Todos param. Esse resultado só foi possível com a mobilização da sociedade. É preciso programas bem elaborados. Os motoristas, uma vez conscientizados, percebem que estão participando de outro patamar de educação, civilidade e respeito.

CORONEL RENATO AZEVEDO, EX-COMANDANTE GERAL DA PM DO DISTRITO FEDERAL, RESPONSÁVEL POR IMPLANTAR A MEDIDA EM BRASÍLIA

Não Brasília adotou o gesto para pedir ao motorista que o deixe cruzar a via. Não sou contra, tampouco a favor. Já levantei o braço quando acompanhava minha mãe idosa. Mas se trata de escolha pessoal, que não pode ser generalizada - em rodovias, o gesto poderá ser interpretado como assalto. Somente policiais deveriam usar movimentos de braços para orientar o trânsito. O Código de Trânsito Brasileiro não é perfeito, mas está acima dos comportamentos vistos no trânsito por falta de fiscalização e educação. Temos problemas mais urgentes. O pedestre, que já era cidadão de segunda classe, está se tornando extraterrestre que não mais encontra espaço para andar com segurança.

EDUARDO JOSÉ DAROS, PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PEDESTRES (ABRASPE)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.