''É o primeiro passo para artista não ser considerado delinquente''

Grafiteiros acham que a medida pode ter algum impacto positivo, mas não acreditam que será a solução para os problemas da classe. Para o artista Binho Ribeiro, a lei pode ser um primeiro passo para que o artista não seja considerado delinquente.

Márcio Pinho, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2011 | 00h00

A obrigatoriedade de ter autorização do dono ou da Prefeitura para atuar "já é o que acontece hoje." Ele defende que tanto a pichação quanto o grafite são formas de protesto e não têm a intenção de serem autorizados. "O ato pode ser uma contravenção, e o artista poderia pagar multa e reparar os danos a quem tenha causado. Mas não ser tratado como criminoso."

Para Ribeiro, é um paradoxo o poder público apoiar ações de grafite, como o túnel da Avenida Paulista dedicado à imigração japonesa, e coibir a prática.

O artista plástico Chivitz diz que a lei pode ter a vantagem de chamar a atenção para o tema e diminuir a repressão policial aos grafiteiros. Ele também critica a necessidade de pedir autorização. "Não muda nada do que é hoje." Chivitz diz ser favorável à restrição de venda de produtos para menores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.