''É hora de seguir em frente'', diz dom Orani em missa

A missa de sétimo dia e o culto ecumênico em memória das 12 crianças mortas no massacre de Realengo contaram com a presença de familiares das vítimas, diversos líderes religiosos, parentes de vítimas da violência e reuniu cerca de 2.500 pessoas, na frente da Escola Tasso da Silveira. O sargento da PM Márcio Alexandre Alves, que impediu a continuação da chacina ao ferir o atirador e ex-aluno da escola, Wellington Menezes de Oliveira, foi recebido aos gritos de herói. Ele emocionou o público ao pedir que o colégio não fosse abandonado pelos alunos. "Aqui vocês terão todo o apoio necessário."

Pedro Dantas, O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2011 | 00h00

Muito emocionados, os parentes das crianças mortas assistiram às cerimônias sentados nas primeiras fileiras. Eles receberam a solidariedade dos familiares de outras vítimas da violência no País, incluindo Ana Carolina Oliveira, mãe de Isabella Nardoni. "Eu vim até o Rio para dar o meu apoio, pois eu recebi muita solidariedade dessas mães quando minha filha morreu e agora faço minha parte como mãe e cidadã", disse Ana.

No fim, os líderes religiosos retiraram os cartazes e faixas de solidariedade dos muros da escola. O arcebispo do Rio, Dom Orani João Tempesta, disse que "é hora de seguir em frente". "Aqui tem de se tornar um lugar onde as crianças possam estudar com tranquilidade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.