É grave o estado de saúde do soldado atingido por tiro acidental em Osasco

Júlio Zerbinato continua internado na UTI; colega que efetuou disparo também se feriu, mas está bem

João Paulo Carvalho e Pedro da Rocha, estadão.com.br

22 de junho de 2011 | 12h47

SÃO PAULO - O Estado de saúde do soldado do Exército Júlio Fernando Zerbinato, de 20 anos, é considerado gravíssimo. Ele foi baleado na cabeça na tarde de terça-feira, quando um colega estava limpando uma arma que disparou acidentalmente. Segundo o Hospital Regional de Osasco, o militar permanece internado na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI).

 

Zerbinato foi atingido na têmpora quando o soldado Tiago dos Santos Fernandes disparou com uma pistola que estava limpando, atingindo também a própria mão. A tragédia ocorreu dentro do 4º Batalhão de Infantaria Leve (BIL), localizado no bairro de Quitaúna, em Osasco, na Grande São Paulo. Fernandes foi medicado e já recebeu alta.

 

O pai de Zerbinato, o policial militar Heitor Brito de Alcântara, de 36 anos, questionou a inabilidade de Fernandes. "Qualquer um com o mínimo de conhecimento sobre armas sabe que não se faz a limpeza com uma bala na agulha e apontando na direção de outra pessoa". Para ele o disparo foi fruto de falha no treinamento do soldado.

 

O autor do disparo é do 20º Grupo de Artilharia de Campanha Leve (GACL), que, segundo o Major Marcelo, do 4º BIL, é motorista, pertence a outro quartel e estava em missão em Osasco. O major disse ainda que há um local específico, com bancada, para se efetuar a limpeza de arma.

 

Um Inquérito Policial Militar foi instaurado e apurará o ocorrido. O major Marcelo afirmou ainda que uma hora depois do acidente, testemunhas e peritos realizaram a reconstituição dos fatos no local onde tudo ocorreu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.