É favorável à retirada de sem-teto do centro de SP?

Não A presença de moradores de rua é uma questão de saúde, de trabalho, de assistência social, e não de polícia - muito menos de Guarda Civil Metropolitana (GCM), que deveria cuidar do patrimônio e não usar armas de forma truculenta. A PM e a GCM, inclusive, atrapalham as ações sociais, porque se negam a agir em conjunto. Prova disso é que o problema tem se agravado: nunca nos últimos 20 anos foram vistas tantas barracas ou tendas tomadas como casas. Hoje, há moradores de rua na Luz, na Santa Cecília, na Rua 13 de Maio. Precisamos mudar totalmente essa política, precisamos de ações que respeitem essas pessoas como seres humanos.

O Estado de S.Paulo

11 Setembro 2012 | 03h04

Sim Quando se toma uma medida como essa é porque há evidência de que a concentração de sem-teto facilita a ocorrência de pequenos furtos. O papel da Guarda Civil Metropolitana é justamente fazer esse tipo de intervenção, a fim de evitar quebra da ordem pública, e de maneira sistemática. Além disso, a saída dos moradores de rua colabora para o aumento da sensação de segurança de quem circula pela região. Mas é preciso reforçar que não basta remover as pessoas em situação de rua, sem prestar assistência. Se essa operação estiver integrada com outros órgãos municipais, pode ser que obtenha bons resultados. Se for isolada, só promoverá a expulsão das pessoas da sua zona de conforto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.