Dupla leva a pior ao extorquir família com o golpe do falso sequestro em Cotia

Criminosos foram baleados quando tentavam extorquir pela terceira vez, no mesmo dia, uma menina de 14 anos; polícia acredita que dupla receberam informações sobre a rotina da família

Ricardo Valota, do estadão.com.br,

28 de abril de 2011 | 03h34

SÃO PAULO - Dois criminosos acusados de praticar o já conhecido e amplamente divulgado golpe do falso sequestro foram baleados, sendo que um deles acabou morrendo, por volta das 19 horas desta quarta-feira, no momento em que tentavam extorquir pela terceira vez, no mesmo dia, uma menina de 14 anos.

 

Às 14 horas, alegando que faziam refém a mãe da garota e que iriam matar a vítima, os criminosos, ao entrarem em contato com a criança, ligando para o celular dela, colocaram no outro lado da linha uma mulher chorando e exigiram um determinado valor para liberar suposta refém. A mãe, uma professora, de 40 anos, estava na escola e o pai da garota, um microempresário, do ramo têxtil, alertado pela filha, não conseguiu encontrar a esposa por telefone, e assim autorizou a menina a entregar por duas vezes o dinheiro, guardado no apartamento. O valor, separado mês a mês, seria utilizado pela família para uma viagem nas férias de julho.

 

A entrega era feita aos criminosos por baixo de um portão de ferro, inteiriço, utilizado por funcionários, nos fundos do condomínio Horizontal Park, na rua Monet, no bairro da Granja Vianna, em Cotia, na Grande São Paulo. A menina, acompanhada do irmão, de 10 anos, não chegou a ver o rosto dos bandidos segundo a polícia.

 

Por volta das 17 horas, a Guarda Municipal e a Polícia Militar, alertadas pelo microempresário, que já estava em casa, havia conversado com as crianças e percebeu que se tratava de um golpe, foram até o condomínio e esperaram pela chegada dos bandidos, que pela terceira iriam arrancariam mais dinheiro da família. Quase R$ 6,5 mil já haviam sido entregues aos criminosos.

 

Em um Voyage bege, Bruno Franco de Oliveira, de 23 anos, e Leandro Juniel Rodrigues, 30, chegaram ao condomínio e, no momento em que se preparavam para arrancar dinheiro das vítimas pela terceira vez, foram surpreendidos pelos guardas e pelos policiais militares. Bruno e Leandro foram baleados ao resistirem à voz de prisão.

 

Bruno, que já tem passagens pela polícia, continua internado no Hospital Regional de Cotia. Já Leandro morreu quando era atendido no pronto-socorro São Jorge. Com a dupla os policiais apreenderam um revólver calibre 38. Caso sobreviva, Bruno responderá por extorsão e resistência. O caso foi registrado no Distrito Policial Central de Cotia.

 

Dos quase R$ 6,5 extorquidos das vítimas, a polícia conseguiu recuperar apenas R$ 1,9 mil, valor levado na segunda extorsão e que ainda estava dentro do carro. A polícia acredita que os criminosos, que não são conhecidos das vítimas, através de terceiros, receberam informações sobre a rotina da família, sabiam da existência do dinheiro guardado no apartamento e que ligaram para o telefone celular da garota para que ela acreditasse mesmo que a mãe estava em poder deles.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.