Divulgação
Divulgação

Dupla é presa por adulterar máquinas para clonar cartões em São Paulo

Equipamento entregue no comércio era capaz de 'furtar' dados e senhas dos cartões

Ricardo Valota, do estadão.com.br,

16 de maio de 2012 | 02h36

SÃO PAULO - Dois estelionatários foram detidos nesta terça-feira, 15, na capital paulista, por agentes do Departamento Estadual de Investigações Criminais (DEIC), sob acusação de envolvimento em um esquema de adulteração de máquinas de venda a débito e crédito com objetivo de clonar cartões bancários.

 

Nas máquinas fornecidas aos comerciantes, os criminosos instalavam um dispositivo conhecido como "chupa-cabra", capaz de armazenar os dados do cartão e as senhas digitadas pelos clientes. Essas informações eram transferidas para outros cartões, "em branco", que transformavam-se em clonados e eram utilizados para movimentar ou sacar valores das contas das vítimas.

 

O golpe contava com a participação de um especialista em equipamentos de leitura magnética, funcionário de uma empresa de manutenção das máquinas que prestava serviços aos comerciantes. O técnico Igor Fernando Sousa de Oliveira, de 33 anos, foi preso quando recolhia um equipamento já adulterado. O flagrante aconteceu em uma loja de bolsas na Rua Comendador Affonso Kherlakian, região da Rua 25 de Março, no centro da capital.

 

Detido, Oliveira disse que recebia a máquina adulterada das mãos de Jackson Matos da Silva, de 27 anos. Igor então levou os policiais até a Rua 7 de Abril, local onde se encontraria com Jackson, que acabou preso. Em seguida, os investigadores foram até uma casa no Jardim Patente, bairro localizado na região de Heliópolis, zona sul da cidade, próximo ao limite com São Caetano, e lá encontraram mais seis leitoras, 80 cartões, um notebook e uma CPU.

 

Segundo o delegado Eduardo Gobetti, os equipamentos recebiam o "chupa-cabra", um sistema de captura de informações. "Isso não alterava o funcionamento. A máquina continuava funcionando normalmente.", disse o delegado. A equipe apurava o crime havia 15 dias devido a denúncias de vítimas que passaram a ter gasto indevidos.

 

A dupla foi autuada por estelionato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.