Dupla é presa após manter família refém na zona sul

Suspeitos teriam praticado sequestro relâmpago para pagar funeral de comparsa morto pela PM

Danieal do Canto e Ricardo Valota, da Central de Notícias,

19 de agosto de 2009 | 02h37

Dois homens que mantiveram três pessoas de uma mesma família reféns por cerca de uma hora e meia foram presos na noite desta terça-feira, 18, em Santo Amaro, na zona sul de São Paulo. Segundo policiais militares da Força Tática do 1º Batalhão, os suspeitos praticaram o sequestro relâmpago com o objetivo de conseguir dinheiro para pagar o funeral de um amigo, identificado como Marcos Evangelista dos Santos, que morreu na manhã anterior, enquanto fugia da polícia.

 

O gerente de produção de 50 anos; a esposa, uma dona de casa de 48 e a filha do casal, uma compradora de 25, foram rendidos por volta das 19 horas, quando saíam de casa em Renault Scénic preto, no Jardim Casa Branca, zona sul de São Paulo.

 

Os ladrões chegaram em uma moto. Marcos Paulo Morais da Silva, de 18 anos, foi quem abordou as vítimas, armado com um revólver calibre 38.

 

Silva entrou no veículo e ordenou que o gerente de produção dirigisse. A moto escoltou o Scénic durante parte do percurso. Em um determinado momento, Silva fez com que a vítima parasse o carro para que um segundo criminoso, ainda não identificado, entrasse no veículo. O bandido recolheu os cartões bancários e senhas das vítimas e fugiu em seguida para fazer saques. Até o final da madrugada desta quarta-feira, 19, ele não havia sido capturado.

 

Pouco depois, Silva ordenou que a vítima parasse o carro novamente para a entrada de outro assaltante, identificado como João Marques Torres, de 21 anos. Ele assumiu a direção do carro. Já no bairro de Santo Amaro, o veículo se deparou com diversas viaturas da polícia. "Toda vez que a gente via uma viatura, eles ameaçavam a gente de morte", contou o gerente de produção. "Ele (Silva) ficou o tempo todo com a arma apontada para a minha cabeça, me ameaçando. É um cara muito violento", completou.

 

Cerco

 

Um vizinho da família presenciou a ação dos bandidos no momento da abordagem das vítimas e avisou um filho do casal, que estava dentro de casa. Por telefone, o jovem comunicou a polícia sobre o crime. A notícia do sequestro foi passada pelo Centro de Operações da PM às viaturas.

Já cientes do sequestro, os policiais da Força Tática aproveitaram o momento que o Scénic parou no trânsito, na esquina das avenidas João Dias e Giovanni Gronchi, para fazer a abordagem, por volta das 20h30. Os dois acusados foram presos e as vítimas foram libertadas sem ferimentos. O revólver que estava com Silva foi apreendido e os pertences que a dupla havia recolhido das vítimas - dinheiro, celulares e joias - foram recuperados.

 

"Só não sei dizer se fizeram saques das nossas contas, porque só bloqueei os cartões mas ainda não fui atrás disso", explicou o gerente de produção. O crime foi registrado no 92º Distrito Policial (Parque Santo Antônio). Ainda conforme a vítima, os bandidos chegaram a comentar sobre o amigo que morreu pouco antes. "Eles falavam que o 'mano' tinha morrido e que estavam fazendo uma 'correria'".

 

Parceiro morto

 

Conforme os policiais da Força Tática, Marcos Evangelista dos Santos morreu quando fugia de um cativeiro que foi cercado pela polícia no final da manhã da terça-feira, 18. Ele teria caído de uma laje e batido a cabeça. O caso foi registrado no 101º DP (Jardim das Embuias). Segundo os PMs, Santos já foi parceiro de Silva em outros sequestros.

 

Ainda de acordo com os policiais, Silva já tem uma passagem por roubo e outras duas por sequestro relâmpago. Ele possui uma cicatriz na cabeça, na área próxima à nuca, resultante de um desses sequestros, praticado em 2007. Na ocasião, um policial militar à paisana foi rendido e colocado no banco traseiro de um veículo sem ser revistado. O PM estava armado e atirou. Silva foi socorrido pelo pai, que o levou escondido no porta-malas de um veículo ao Pronto-Socorro do Campo Limpo.

 

Texto atualizado às 5h40.

Tudo o que sabemos sobre:
sequestro relâmpago

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.