Dupla dá golpe do falso sequestro em garota de 14 anos

Adolescente entregou cerca de R$ 6 mil aos criminosos; pai avisou a polícia e um dos bandidos foi morto em emboscada

Paulo Saldaña, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2011 | 00h00

Eram 10h de anteontem quando a adolescente V.G., de 14 anos, recebeu a primeira ligação de supostos sequestradores que, aos gritos, afirmavam estar com sua mãe. O terror só terminou por volta das 19h. Após outras duas ligações e a extorsão de quase R$ 6 mil, a Polícia Militar e a Guarda Civil Municipal de Granja Viana, em Cotia, Região Metropolitana de São Paulo, conseguiram pegar os dois bandidos que, na verdade, aplicavam o golpe do falso sequestro. Houve tiroteio e um deles morreu.

O golpe foi aplicado por Bruno Franco de Oliveira, de 22 anos, e Leandro Juniel Rodrigues, de 30. Os dois falaram por telefone com a garota e, forjando o sequestro da mãe, conseguiram que ela entregasse R$ 4 mil. V. estava em casa apenas com o irmão, de 10 anos, e ambos ficaram apavorados. Ela sabia do dinheiro que havia em casa - economias do pai, que é comerciante. A dupla pegou a quantia em uma das portarias do condomínio onde a família vive.

Não satisfeitos, eles continuaram com a falsa ameaça e, na segunda ligação, conseguiram extorquir mais R$ 1,8 mil. "A menina tem 14 anos e entrou em pânico. Não conseguia falar com os pais. Como sabia do dinheiro, caiu no golpe", disse o inspetor-chefe da Guarda Civil da região, Adelmo Rufino dos Santos.

Quando os bandidos ligaram pela terceira vez, o pai de V. já estava em casa. Ele atendeu o telefone e, como havia conseguido falar com a mulher, avisou a polícia e a Guarda Municipal e combinou um novo resgate. "Para atrair os bandidos, ele disse que não havia mais dinheiro, mas daria joias de ouro", disse Santos.

Uma viatura da PM e outra da Guarda aguardaram dentro do condomínio. A dupla chegou em um Voyage e, assim que pegou a bolsa que estaria com as joias, os policiais deram voz de prisão. Segundo a polícia, um deles atirou e houve o revide. Rodrigues foi baleado quatro vezes, uma no rosto, duas na costela e outra no braço. Ele chegou a ser socorrido, mas morreu. Oliveira, que já tem passagem por roubo, levou dois tiros, um de raspão no pescoço e um na perna. Levado ao Hospital Geral de Cotia, ele recebeu alta ontem e foi preso por extorsão e resistência.

A polícia conseguiu resgatar R$ 1,9 mil. Como houve caso de resistência seguida de morte, a ocorrência foi encaminhada ao Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.