Dupla abre fogo contra barraca de cachorro quente na zona sul de SP

Atiradores ocupavam uma moto preta e estavam encapuzados; dois dos clientes do hot-dog foram baleados; um deles morreu

Pedro da Rocha, do estadão.com.br,

01 de setembro de 2011 | 03h29

SÃO PAULO - No final da noite de quarta-feira, 31, no momento em que se preparavam para saborear um cachorro quente, em uma barraca montada na esquina da Avenida Engenheiro Saraiva de Oliveira com a Rua João Caiaffa, no Jardim Taboão, próximo ao Cemitério da Paz, na zona sul de São Paulo, dois casais de namorados foram surpreendidos por tiros disparados por uma dupla ocupante de uma moto, de placa e modelo não anotados.

 

Dois clientes foram baleados e um deles morreu no hospital. Encapuzados, os criminosos pararam em frente ao ponto de venda de hot-dog e abriram fogo. O comerciante Alan Diego Alves dos Santos, de 26 anos, levou três tiros, e o vendedor Nikos Fileman Koutroutsos, de 27, dois. Ambas as vítimas foram encaminhadas por policiais da 5ª Companhia do 16º Batalhão ao pronto socorro Campo Limpo. Koutroutsos veio a falecer.

 

A namorada de Nikos disse que, naquela noite, ambos saíam de um samba, quando dois homens parecidos com os atiradores chamaram Nikos de canto. Eles conversaram por um momento e ele deu dinheiro para a dupla. Ela acredita que seu namorado devia estar devendo para os motoqueiros. A Polícia Civil suspeita de acerto de contas por tráfico de drogas.

 

Segundo a manicure Daniela Lourenço, de 23 anos, namorada de Diego, os médicos disseram que, apesar de atingido no rosto, costas e em um dos braços, ele não corre risco de morte. “Foi muito rápido. Quando ouvi os tiros, saí correndo. Depois que tudo terminou, olhei para trás e vi meu namorado baleado. Não tenho ideia do porquê dos tiros", disse Daniela. Os dois atiradores continuam foragidos.   O caso foi registrado no 89º Distrito Policial, do Portal do Morumbi.

 

Texto atualizado às 6h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.