Dublês vão fazer o papel do casal Nardoni na reconstituição

Alexandre e Anna Carolina foram convocados, mas defesa teria decido que eles não vão ao local do crime

Carolina Freitas, da Agência Estado, e Bruno Tavares, de O Estado de S. Paulo,

27 de abril de 2008 | 07h20

O Instituto de Criminalística (IC) convocou dois dublês para fazer o papel de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá na reconstituição da morte de Isabella Nardoni, marcada para este domingo, 27. Antônio Nardoni, pai de Alexandre, afirmou que a defesa do casal decidiu que os dois não vai participar da reconstituição. Caso isso ocorra, peritos encenarão a versão que consta no laudo final sobre a morte de Isabella. Oito testemunhas estão convocadas para auxiliar nos trabalhos: o porteiro, os casais do 1º e 3º andares do edifício, o subsíndico e um casal que mora no prédio em frente.   Veja também: Donos de imóveis lucram com reconstituição  Casal não irá à reconstituição do crime 'Há mais que indícios' contra o casal, diz promotor Fotos do apartamento onde ocorreu o crime  Cronologia e perguntas sem resposta do caso   Tudo o que foi publicado sobre o caso Isabella     O objetivo dos peritos do Núcleo de Crime Contra a Pessoa do IC, que conduzem a reconstituição, será confrontar as informações dos depoimentos com as provas testemunhais e físicas do crime. Serão contrapostas versões, para que os investigadores avaliem tecnicamente o que, na prática, é plausível ter acontecido na noite do crime.   Compõem a equipe do IC desenhista, fotógrafo, peritos e um médico legista. Eles usarão programas de computador, câmera fotográfica, filmadora, trena, decibelímetro (para medir ruídos), cronômetro e um manequim articulado.   Devem comparecer ao London também os delegados responsáveis pela investigação do crime, Calixto Calil Filho e Renata Helena Pontes, do 9º Distrito Policial, e o promotor de Justiça que acompanha o caso, Francisco Cembranelli.   A Polícia Científica não divulgou o horário de início e término dos trabalhos, mas a previsão é de que a reconstituição dure desde manhã até a noite. Haverá simulações no interior do prédio e do apartamento de onde Isabella foi jogada e na parte externa do prédio.   Desde sexta-feira, 25, policiais do Grupo de Operações Especiais (GOE) fazem a segurança do entorno do residencial London. Neste domingo, o contingente de policiais militares e civis no local pode chegar a 100 homens, segundo o delegado da 4ª Seccional Norte, César Camargo. O objetivo é evitar tumultos como os que aconteceram na 9ª DP, quando depuseram integrantes da família Nardoni.

Tudo o que sabemos sobre:
caso Isabella

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.