Estadão
Estadão

Duas pessoas são mortas e três ficam feridas em São Paulo

Um garoto de 12 anos foi baleado na porta de casa; crimes aconteceram em Santo André, e nas zonas sul e leste da capital entre a noite a de segunda-feira, 19, e a madrugada de terça, 20

Ricardo Valota, O Estado de S.Paulo

20 Novembro 2012 | 07h30

Um homem foi baleado e morto, por volta das 2 horas da madrugada de terça-feira, 20, na Rua Luiz Gomes Pain, no Jardim Santo André, em Santo André, na região do ABC. Moradores ouviram os disparos de arma de fogo e ligaram para a polícia, que foi até o local e encontrou a vítima caída. Mesmo levado para o Centro Hospitalar de Santo André, o homem não resistiu e morreu. O caso foi registrado no 1º Distrito Policial da cidade, cujos plantonistas negaram-se a passar mais informações.

Por volta do mesmo horário, outra pessoa foi morta, desta vez na altura do nº 1.300 da Avenida Manoel dos Santos Braga, no Jardim das Camélias, região da Vila Jacuí, na zona leste de São Paulo. Os disparos teriam sido feitos por ocupantes de uma moto. A vítima foi levada para o pronto-socorro de Ermelino Matarazzo, mas não resistiu. No local do crime, segundo o que foi apurado por policiais militares que lá estiveram, funciona um ponto de venda e consumo de drogas. O caso foi registrado no 24º Distrito Policial, da Ponte Rasa.

Ainda na zona leste, dois homens foram baleados por volta das 2h30 desta madrugada na esquina das ruas Acesita e Lagoa Nova, na Vila Cisper, região de Cangaíba. Ambas as vítimas foram levadas para o Pronto-Socorro de Ermelino Matarazzo, mas não se sabe ainda o estado de saúde delas. O caso seria registrado também no 24º Distrito Policial, da Ponte Rasa.

Garoto é baleado na porta de casa

O garoto Jailson Pereira dos Santos, de 12 anos, foi ferido por uma disparo de arma de fogo, por volta das 21 horas de segunda-feira, 19, quando brincava próximo à porta da casa, na Rua Mário Pederneiras, no Jardim Valquíria, região do Capão Redondo, na zona sul de São Paulo.

Atingido no rosto, entre a pálpebra e a sobrancelha, o menino foi levado por familiares para o Pronto-Socorro do Campo Limpo e, após o primeiro atendimento, transferido para o Hospital das Clínicas, onde passava por cirurgia. O tiro, segundo a Polícia Civil, partiu de longe e de uma arma de calibre pequeno, possivelmente um revólver calibre 22.

O projétil, ainda segundo os policiais, entrou cerca de 1,5 centímetro. Havia a preocupação com um possível dano cerebral na criança, mas isso já foi descartado, de acordo com o que a polícia ouviu dos médicos. O globo ocular da criança também não teria sido atingido, porém ainda seria feita uma análise oftalmológica mais detalhada.

Policiais civis foram até o local, mas não conseguiram informações com supostas testemunhas. Não se sabe ainda de ordem partiu o disparo. O caso foi registrado no 47º Distrito Policial, do Capão Redondo.

Visualizar Onda de violência em um mapa maior

Mais conteúdo sobre:
violência São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.