Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Dragões da Real traz o 'tempo' como tema de desfile

Vários relógios tomam conta dos carros alegóricos que, banhados em vermelho e amarelo, se destacam pela imponência e pelo brilho na avenida

Juliana Diógenes, O Estado de S.Paulo

03 de março de 2019 | 00h38

Por volta de meia-noite, a Dragões da Real entrou na avenida do samba neste domingo, 3 última noite de desfiles no Anhembi. A escola traz o tempo como tema, tendo no samba-enredo o mote "A invenção do tempo. Uma odisseia em 65 minutos". 

Vários relógios tomam conta dos carros alegóricos que, banhados em vermelho e amarelo, se destacam pela imponência e pelo brilho na avenida. As cores preta e branca também marcam a agremiação. 

No segundo carro, o titã Cronos, deus do Tempo e filho de Urano, da mitologia grega, segura uma ampulheta. Engrenagens de relógio permeiam toda a alegoria, que vem rica em detalhes que abusam do dourado. 

O desfile da Dragões tenta desvendar o mistério do tempo ao abordar, por exemplo,  viagens ao passado. A composição também fala sobre o mundo veloz regido pela pressa e a escravidão em relação aos ponteiros do relógio.

Na ala "Relógio de Pêndulo", a escola apresenta as mães do samba, que nos terreiros ditam, com sabedoria, o tempo para os acontecimentos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.