Pedro Venceslau |Estadão
Pedro Venceslau |Estadão

Doria visita rio recuperado em Seul e defende 'novo olhar' sobre o Tietê

Até 2005, o Cheonggyecheon era um córrego poluído e hoje é um dos principais pontos turísticos da capital sul-coreana

Pedro Venceslau*, O Estado de S.Paulo

13 Abril 2017 | 12h47

SEUL - Em visita ao Rio Cheonggyecheon em Seul, nesta quinta-feira, 13, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), defendeu "um olhar mais ativo" do Estado e do governo federal sobre os Rios Tietê e Pinheiros. Até 2005, o rio na capital sul-coreana era um córrego poluído e hoje é um dos principais pontos turísticos da cidade. "Esse é um bom exemplo que motiva São Paulo, cidade e Estado, e o próprio governo federal a ter um olhar mais ativo e forte em relação à recuperação e despoluição do Tietê e Pinheiros", disse Doria.

Em 20 anos no comando do governo do Estado, porém, nenhuma gestão tucana cumpriu a promessa de despoluir os dois rios. Questionado sobre isso, Doria disse que "certamente existem razões" que justifiquem isso não ter sido feito em duas décadas. "O importante é ter um novo olhar daqui pra frente. Talvez a recuperação econômica permita investimentos privados. Vou ter uma boa conversa com o governador (Geraldo) Alckmim sobre isso" disse Doria.

O Rio Cheonggyecheon foi recuperado entre 2003 e 2005. Nesse período, foram renovados 5,8 km de um total de 8 km com um investimento de U$ 350 milhões. A via expressa que cobria o rio foi demolida e um sistema de piscinões impede enchentes.

A recuperação mudou também o ecossistema da região. Antes, havia 62 tipos de plantas, hoje são 510. Eram 4 tipos de peixe, hoje são 25.

Depois de visitar o rio, Doria e sua comitiva embaracaram em um metrô. O prefeito comprou um bilhete e fez duas baldeações até uma estação onde um carro esperava para levá-lo ao centro tecnológico da LG.

* O repórter viajou a convite da prefeitura de Seul

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.