Felipe Rau/Estadão - 15/3/2017
Felipe Rau/Estadão - 15/3/2017

Doria tira R$ 148 mi de obras para cobrir déficit dos ônibus

Verba de R$ 1,8 bilhão prevista com subsídio para este ano acaba em agosto e prefeito transfere dinheiro que seria gasto com implantação de corredores e terminais de ônibus

Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

27 Julho 2017 | 21h04

SÃO PAULO - A gestão do prefeito João Doria (PSDB) retirou R$ 148,3 milhões previstos em obras de implantação de corredores e terminais de ônibus em São Paulo e na reforma do Autódromo de Interlagos para subsidiar a tarifa de ônibus em agosto. Isso porque o orçamento de R$ 1,8 bilhão destinado a cobrir o déficit entre o custo do sistema e a receita com as passagens já acabou, faltando ainda cinco meses para o término do ano.

“Essa é a primeira (transferência de dinheiro). A partir de agora vai ter todo mês”, resumiu o secretário municipal da Fazenda, Caio Megale. A expectativa é de que o gasto com subsídio tarifário chegue a R$ 3 bilhões neste ano, volume recorde – em 2016 foram R$ 2,5 bilhões. Isso significa que será preciso remanejar mais R$ 1 bilhão para cobrir o rombo do sistema de transporte municipal. 

O decreto destinando mais verba para os ônibus foi publicado nesta quinta-feira, 27, pelo presidente da Câmara Municipal, Milton Leite (DEM), que está como prefeito interino por causa da viagem de Doria à China e da licença do vice Bruno Covas (PSDB). 

A maior parte dos recursos foi retirada do orçamento de corredores de ônibus (R$ 70 milhões) e terminais (R$ 62,6 milhões), cujas obras estão suspensas desde a gestão do ex-prefeito Fernando Haddad (PT) por falta de repasse de dinheiro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do governo federal. Enter elas estão a ampliação do Terminal Jardim Ângela, na zona sul, e a construção do Corredor Radial Leste 1, na zona leste. 

“O governo federal já sinalizou, por causa da crise fiscal, que esses recursos não virão. Ou seja, essas obras dificilmente sairiam este ano. A origem do problema está no orçamento aprovado pela Câmara no ano passado, que reservou R$ 1,8 bilhão para subsídio do ônibus quando já havia gasto quase R$ 3 bilhões”, afirmou Megale. 

O secretário não descartou que a possibilidade de retirar dinheiro de obras de outras áreas para subsidiar a tarifa, como de drenagem urbana. "Não necessariamente sairá só de transporte. Todas as dotações que não vamos executar esse ano podem ter ser recursos remanejados. Obras de drenagem, como construção de piscinões, se chegarmos em outubro e elas não tiveram iniciado, podemos fazer a suplementação", afirmou. 

Embora a tarifa de ônibus esteja congelada há 18 meses – Doria manteve o preço a R$ 3,80 neste ano –, Megale afirma que o déficit do sistema cresceu nos últimos anos devido ao aumento da política de gratuidades a estudantes e idosos. Neste mês, a gestão Doria reduziu o horário de vigência do benefício do Passe Livre Estudantil para duas horas e até quatro embarques por dia para economizar R$ 70 milhões até o fim do ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.