Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Doria recua e descarta concessão das marginais

Prefeito havia demonstrado intenção de discutir concessão e pedagiamento das vias; hoje, ele voltou atrás e disse que nenhuma privatização será feita

Fabio Leite , O Estado de S.Paulo

09 Maio 2017 | 18h24
Atualizado 09 Maio 2017 | 20h17

SÃO PAULO - Um dia após anunciar a intenção de conceder as Marginais do Tietê e do Pinheiros à iniciativa privada, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), recuou da medida nesta terça-feira, 9, afirmando que as duas principais vias da capital continuarão a ser administradas pela Prefeitura.

"Não teremos pedagiamento na Tietê e na Pinheiros e nem mesmo concessão. As marginais continuarão a ser operadas pela CET  (Companhia de Engenharia de Tráfego), pela Prefeitura de São Paulo, dentro do Programa Marginal Segura", disse Doria.

Na segunda-feira, 8, o prefeito se reuniu com o governador Geraldo Alckmin (PSDB) para discutir a possibilidade de fazer concessão das marginais, a exemplo do que o Estado fez com as rodovias, ou uma Parceria Público Privada (PPP). Após a reunião, Doria afirmou em coletiva de imprensa na Prefeitura que, embora tenha sido uma conversa preliminar, a ação está sendo desenhada com o governo do Estado, sem dar detalhes.

Agora, o prefeito afirmou que o intuito do encontro, que também reuniu a Agência Reguladora de Transportes de São Paulo (Artesp) e a concessionária CCR, era discutir como "integrar as marginais às rodovias" que chegam à capital. "Nenhuma privatização será feita nas Marginais Tietê e Pinheiros, nem sequer está em estudo. Neste momento, não pensamos em nenhum tipo de concessão nem de PPP em relação às marginais", afirmou Doria.

A assessoria do prefeito nega que tenha haviado uma "recuo" dele porque a reunião de segunda-feira com Alckmin tratava apenas de uma conversa preliminar, sem caráter decisivo, conforme disse Doria logo após o encontro: “É uma conversa preliminar num despacho operacional nosso com o governador Geraldo Alckmin. Toda a semana nós temos despacho com o governador em ações conjuntas que fazemos nas áreas de Saúde, Habitação, Transporte, Mobilidade, Segurança Pública, Cultura... Entre outras áreas. Hoje o tema foi transporte e mobilidade. É uma das ações que estamos pretendendo numa boa parceria com o Governo do Estado.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.