Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Doria proíbe blocos de carnaval na Praça Roosevelt

Desfiles só poderão usar local como passagem; veto leva em consideração 'aclamações dos moradores' e vale também para o Minhocão

Adriana Ferraz, O Estado de S.Paulo

07 Fevereiro 2017 | 12h04

SÃO PAULO - A gestão João Doria (PSDB) proibiu o uso da Praça Roosevelt, no centro, como ponto de concentração ou dispersão de blocos carnavalescos, que só poderão passar pela praça, não mais permanecer nela. De acordo com portaria publicada nesta terça-feira, 7, no Diário Oficial da Cidade, o endereço ainda fica vetado para qualquer outro tipo de evento, assim como o Elevado João Goulart, o Minhocão.

A justificativa apresentada pelo prefeito regional da Sé, Eduardo Odloak, é a "necessidade de se reorganizar o uso do espaço público pela nova gestão, visando melhor distribuição, e ainda, adequação entre o uso pretendido e a característica de cada local em específico".

Na portaria, Odloak ainda afirmou ter considerado as "aclamações dos moradores da praça e do elevado", bem como questionamentos apresentados à Prefeitura sobre poluição sonora, perturbação do sossego e desatendimento ao Programa de Silêncio Urbano (Psiu).

A medida atinge ao menos cinco blocos que tradicionalmente têm como ponto inicial e final a Praça Roosevelt, como Unidos do Swing, @migos do Samba e Todos somos Carmem. Um dos principais blocos da cidade, o Baixo Augusta, também já marcou dispersão na praça, como no carnaval de 2015. No ano passado, o local utilizado foi a Rua Coronel Xavier de Toledo.

Pinheiros e Vila Madalena. A restrição faz parte de um pacote de mudanças anunciado aos poucos pela Prefeitura. Na regional de Pinheiros, na zona oeste, os blocos terão agora apenas cinco horas para se apresentar, com dispersão máxima marcada para as 20 horas. Também não poderão avançar sobre bairros residenciais, como os Jardins e o Alto de Pinheiros, que passarão a ser protegidos por grades. Na Vila Madalena, foi vetada a passagem de megablocos.

Os grupos com aval para desfilar ali terão de reunir até 20 mil pessoas - ainda não está claro, no entanto, como se dará esse controle.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.