Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Doria planeja mais 2 alojamentos para dependentes da Cracolândia

Primeira estrutura com 25 contêineres para atender até 150 usuários de drogas foi aberta na noite desta quinta na região da Luz com baixa demanda

Fabio Leite, O Estado de S. Paulo.

08 de junho de 2017 | 21h58

SÃO PAULO - No dia em que inaugurou um alojamento com 25 contêineres para abrigar usuários de drogas da Cracolândia no centro de São Paulo, a gestão do prefeito João Doria (PSDB) anunciou que deve abrir pelo menos mais dois pontos iguais de atendimento a dependentes químicos próximos da Praça Princesa Isabel, onde se concentra o novo "fluxo" de venda e consumo de drogas, no bairro Campos Elíseos, região central.

A primeira unidade emergencial de atendimento a dependentes foi aberta por volta das 19h desta quinta-feira, 8, uma hora depois do horário previsto, e ainda com baixa procura na primeira hora - menos de dez pessoas. Com capacidade para atender 150 pessoas por dia e 100 vagas de pernoite, a estrutura fica em um estacionamento da Guarda Civil Metropolitana (GCM) na Rua General Couto de Magalhães, a 750 metros da nova Cracolândia.

Segundo o secretário municipal de Investimento Social, Cláudio Carvalho, pelo menos mais dois pontos de atendimento a dependentes em contêineres devem ser abertos pela Prefeitura nas próximas semanas, numa estratégia para atrair os usuários de drogas com alimentação, higiene e mais conforto para avaliá-los e encaminhá-los para tratamento em leitos de desintoxição e internação dos programas Redenção, da Prefeitura, e Recomeço, do governo do Estado.

Um dos locais estudados pela gestão Doria para atender viciados continua sendo um terreno da Companhia Metropolitana de Habitação (Cohab) na Rua General Rondon, vizinho à Praça Princesa Isabel, que foi a primeira opção da Prefeitura para instalação dos 25 contêineres, mas acabou sendo substituído pelo estacionamento da GCM após protestos de moradores da região. "Estamos conversando com os moradores, com associações de bairro, com a igreja", resumiu Carvalho. 

O secretário disse ter negociado com uma empresa privada o empréstimo de até 130 contêineres para os alojamentos para usuários de drogas da Cracolândia e unidades móveis dos Centros Temporários de Acolhimentos (CTAs), voltados para moradores de rua, durante o período de baixa temperatura. O custo estimado da doação em comodato da estrutura à Prefeitura é de R$ 500 mil.   

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.