AFP
AFP

Doria escala bicampeão da Fórmula 1 para divulgar aumento de velocidade

Emerson Fittipaldi é a estrela da campanha Marginal Segura: 'Nas pistas ou no trânsito, quem tem que estar na frente é a vida'; ouça

Adriana Ferraz, O Estado de S. Paulo

20 Janeiro 2017 | 14h34
Atualizado 20 Janeiro 2017 | 17h19

Bicampeão da Fórmula 1, Emerson Fittipaldi foi escalado pela gestão João Doria (PSDB) para estrelar a primeira campanha publicitária do tucano. O piloto dá voz a uma propaganda de rádio que informa sobre o aumento das velocidades máximas permitidas nas Marginais do Tietê e do Pinheiros a partir de 25 de janeiro, aniversário da cidade. Nas pistas expressas, os limites vão subir de 70km/h para 90 km/h; nas centrais, de 60 km/h para 70 km/h; e nas locais, de 50 km/h para 60 km/h. A única exceção se dará na faixa mais à direita, que permanecerá a 50 km/h.

"Nas minhas corridas, a segurança sempre esteve em primeiro lugar.  A partir de 25 de janeiro, as velocidades nas marginais serão readequadas. Faça como eu: não use celular dirigindo, respeite o motociclista, o ciclista e o pedestre. Respeite a sinalização. Nas pistas ou no trânsito, quem tem que estar na frente é a vida. Trânsito bom é trânsito seguro", orienta o áudio gravado por Fittipaldi. O esportista também aceitou filmar uma peça com o mesmo conteúdo, que deverá ser postada pela Prefeitura nas redes sociais.

Clique abaixo para ouvir a propaganda:

De acordo com a gestão Doria, o aumento dos índices vai proporcionar aos motoristas que atravessam as duas Marginais um ganho de 15 minutos, desde que o trajeto seja feito fora do horário de pico pelas pistas expressas. O cálculo, no entanto, não é exato. A gestão passada, de Fernando Haddad (PT), estimava que o movimento inverso (ou seja, a redução das velocidades) acarretaria uma viagem até 8 minutos mais demorada. Para o consultor em trânsito Horário Augusto Figueira, 9 minutos é o mais aproximado, para cima ou para baixo.

Para o professor de comunicação política do Mackenzie Roberto Gondo, a escolha do piloto segue uma tendência europeia de marketing que prioriza o aspecto pessoal e o conceito de engajamento político. "O tom da campanha é de orientação. A ideia é mostrar que mesmo um piloto pode ser prudente. Acho a tentativa positiva, visa a mostrar um contraponto", afirma.

Já para o consultor em mobilidade urbana, Rafael Calabria, da ONG Cidade a Pé, a escolha de Fittipaldi foi infeliz. "Simbolicamente, é muito ruim. O Emerson Fittipaldi não é uma pessoa conhecida por levantar a bandeira da segurança no trânsito. A imagem que temos dele é de uma pessoa que alcançou o sucesso pela velocidade."

Promessa de campanha do tucano, a decisão de retomar os limites antigos das marginais foi parar na Justiça. Nesta quinta-feira, 19, a Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo (Ciclocidade) engressou com uma ação civil pública com pedido de liminar, a fim de tentar evitar o início do programa na semana que vem. A Prefeitura argumenta que a mudança é adequada, pois as Marginais são vias de trânsito rápido e que medidas de segurança a serem implementadas - como novas placas de sinalização, painéis informativos e frota de ambulâncias e guinchos -, vão proporcionar uma operação mais segura das pistas.

 

Mais conteúdo sobre:
João Doria Fernando Haddad Ciclocidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.