Alexandre Hisayasu / Estadão
Alexandre Hisayasu / Estadão

Doria diz que GCM não vai tirar cobertor de morador de rua

Ele declarou que o decreto publicado neste sábado que retira essa proibição "não ficou claro", mas disse que essa ação não vai ocorrer; depois, andou de cadeira de rodas para promover campanha "calçada nova"

Alexandre Hisayasu, O Estado de S. Paulo

22 de janeiro de 2017 | 13h27

SÃO PAULO - O prefeito João Doria (PSDB) admitiu neste domingo, dia 22, que o decreto que retirou a proibição de guardas civis metropolitanos (GCM) de recolher cobertores de moradores de rua “não ficou claro”, mas afirmou que essa ação não será feita.

“Isso seria uma desumanidade. E isso não vai ser feito. Foi apenas para preservar legalmente o direito da GCM de poder ajudar a Secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social e Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania para não haver a ilegalidade do ato. Mas jamais a retirar nem pertences e muito menos cobertores dessa população.” Ele também afirmou que o decreto não será refeito.

No decreto publicado neste sábado, 21, no Diário Oficial do Município, a administração Doria retirou um parágrafo que proibia a Guarda Civil Metropolitana (GCM) de recolher colchões e cobertores de moradores de rua. 

A medida altera decreto do ex-prefeito Fernando Haddad (PT), que vedava a prática. O petista soltou a resolução após polêmica envolvendo essa população, durante o inverno do ano passado, quando cinco moradores de rua morreram de frio na cidade.

O decreto de Haddad proibia a retirada de “itens portáteis de sobrevivência” dos moradores de rua, como “papelões, colchões, colchonetes, cobertores, mantas, travesseiros, lençóis e barracas desmontáveis”.

Na nova redação do decreto, esse item foi suprimido. Permanece vedada a apreensão de bens pessoais, “tais como documentos de qualquer natureza, cartões bancários, sacolas, medicamentos e receitas médicas, livros, malas, mochilas, roupas, sapatos, cadeiras de rodas e muletas”, de instrumentos de trabalho, “como carroças, material de reciclagem, ferramentas e instrumentos musicais”.

Na agenda desta manhã, Doria disse que a Prefeitura apagou alguns grafites da avenida 23 de Maio porque estavam “pichados”. E voltou afirmar que irá combater a pichação na cidade e valorizar o trabalho dos grafiteiros.

O prefeito visitou a Vila Maria na zona norte, e deu sequência ao Mutirão Mário Covas. Ele recolheu pedras da calçada e cimentou um trecho e plantou uma árvore. Ele também acompanhou um grupo de cadeirantes – movimentando-se ele mesmo sobre uma cadeira de rodas – em um trecho de uma rua do bairro.

Depois, inaugurou um campo de grama sintética, na Vila Carioca, na região do Ipiranga, na zona sul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.