Marcos Hermanson/Reprodução/Facebook
Marcos Hermanson/Reprodução/Facebook

Doria condena atitude de guarda e garante assistência a morador de rua

Prefeito determinou que caso seja tomado como referência negativa pela Secretaria Municipal de Segurança Urbana

Bibiana Borba, O Estado de S.Paulo

04 Maio 2017 | 09h46

SÃO PAULO – O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), classificou como ato condenável e exacerbação de funções a agressão a um morador de rua por um agente da Guarda Civil Metropolitana (GCM), divulgada nesta quarta-feira, 3, em imagens registradas por testemunhas. Veja abaixo:

Em vídeo publicado em sua conta no Twitter, nesta quinta-feira, 4, Doria também garantiu que o servidor foi afastado do cargo e disse ter conversado com o homem agredido para prestar solidariedade e oferecer assistência da Prefeitura. Veja abaixo:

Samir Ali Ahmed Sati, de 40 anos, fraturou um punho e precisou ser atendido em um pronto-socorro. O prefeito relatou que o morador em situação de rua foi encaminhado a uma unidade da Secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social, no centro da cidade, onde agora recebe atenção especializada junto a sua mulher.

Doria ainda afirmou ter determinado ao secretário municipal de Segurança Urbana, José Roberto Rodrigues de Oliveira, que a atitude do guarda seja tomada como referência para que “não ocorra mais nenhuma situação dessa natureza”. A pasta já havia divulgado o afastamento do agente, logo depois que as imagens da agressão começaram a repercutir nas redes sociais.

 

 

Sati teve roupas e outros pertences pessoais tomados durante a abordagem da GCM. No vídeo, ele é visto chorando e implora para que o carrinho de supermercado “com tudo o que tinha” não seja levado. Enquanto isso, um dos agentes empurra e dá uma rasteira no homem, que fica caído no chão. O caso será investigado pelo 35º Distrito Policial (Jabaquara) e por uma auditoria interna da Corregedoria-Geral da GCM.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.