Prefeitura de SP
Prefeitura de SP

Doria anuncia grupo para avaliar doações recebidas pela Prefeitura

A comissão terá prazo de três dias para dar seus pareceres para as doações recebidas

Bruno Ribeiro , O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2017 | 12h47

SÃO PAULO - A Prefeitura de São Paulo criou nesta quarta-feira, 21, uma comissão permanente para processar as doações recebidas do setor privado pela gestão João Doria (PSDB). Passados seis meses de governo, a decisão foi anunciada pelo prefeito como uma medida para garantir um "cuidado maior" com as doações, que viraram uma marca do governo do tucano. 

"A velocidade e a intensidade dos investimentos no setor privado vêm crescendo, e isso vem exigindo um cuidado maior, uma  atenção maior, uma zeladoria melhor", disse o prefeito, ao  dizer que a comissão é um passo seguinte à criação de uma secretaria especial para cuidar dos "investimentos sociais", cujo titular será Claudio Carvalho, ex-executivo do grupo Cyrella - que já chegou a doar à Prefeitura. 

A comissão terá prazo de três dias para dar seus pareceres para as doações recebidas, segundo decreto publicado no Diário Oficial da cidade desta quarta. O grupo receberá e irá analisar a documentação de empresas interessadas em fazer investimentos públicos e ficará encarregada de publicar no Diário Oficial cada proposta recebida. 

Doria comentou a criação da comissão durante evento na sede da Prefeitura que anunciou investimento de R$ 5 milhões de empresas italo-brasileiras na recuperação de três praças públicas da cidade: a Praça Ramos de Azevedo, no  centro, e as Praças Cidade de Milão, na zona sul, e do Imigrante Italiano, zona oeste.

O prefeito defendeu a política de buscar recursos privados por meio de doações citando um já anunciado déficit de R$ 7,5 bilhões no orçamento da cidade para este ano. O dinheiro é a diferença entre o Orçamento aprovado pela Câmara Municipal e os valores que de fato serão arrecadados neste ano.                                   

O prefeito argumenta que as doações não têm nenhuma contrapartida do poder público, mas a política já foi alvo de representação feitas por grupos de oposição ao Ministério Público Estadual, que a acompanha. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.