TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Doria agora quer que pichador restaure locais danificados

Prefeito havia dito pela manhã que esperava que vereadores aprovassem uma multa de R$ 50 mil para pichadores flagrados danificando bens públicos

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

01 de fevereiro de 2017 | 16h43

SÃO PAULO - Embora o próprio prefeito João Doria (PSDB) tenha dito que "a cidade não pode ficar como o tema e a pauta só na pichação", a guerra declarada por ele ao picho marcou a sessão inaugural da legislatura de 2017 da Câmara Municipal. Se, na parte da manhã, Doria havia dito esperar que os vereadores aprovassem uma multa de até R$ 50 mil para pichadores flagrados danificando bens públicos, após se reunir com parlamentares ele passou a defender como punição a obrigação ao pichador de arcar com os custos de reparos de locais públicos alvo de suas tintas. 

"Eles estão estudando. A multa provavelmente será de R$ 5 mil no primeiro ato, ou seja, alguém que for pichar qualquer bem da cidade e for pego pichando, vai ser indiciado criminalmente por crime ambiental e terá de pagar a multa", disse Doria. "Se não pagar, sofrerá processo judicial. Se for reincidente, R$ 10 mil. E se pichar um monumento público da cidade, seja municipal ou estadual, o valor correspondente ao dano causado, não sei se exatamente R$ 50 mil, ou R$ 60 (mil), ou R$ 10 (mil) ou R$ 20 mil, mas aquele que for necessário para resgatar a cidade", afirmou.

O presidente da Câmara, Milton Leite (DEM), aliado do prefeito Doria, por sua vez, avaliou ser "impossível" votar o projeto da Lei Cidade Linda até a semana que vem. Ele corrigiu o prefeito e afirmou que, na verdade, o que está sendo discutido é a cobrança de R$ 50 mil de multa para quem danificar bens público e ainda fazer a cobrança do valor da restauração do que for danificado. 

Doria se reuniu por cerca de uma hora com as lideranças parlamentes - embora todas as bancadas tenham sido convidadas para o encontro, a bancada do PT se recusou a comparecer e enviou carta pedindo retratação ao prefeito por ter chamado o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de "o maior cara de pau do Brasil".

O vereador Eduardo Suplicy (PT) levou para o plenário o grafiteiro Mauro Neri, que faz grafites com a inscrição "Ver a cidade" e que foi preso na semana passada enquanto tentava retirar a tinta passada pela Prefeitura em sua obra, na Avenida 23 de Maio. Suplicy também cobrou desculpas do prefeito pela fala ao ex-presidente.

Doria primeiro agradeceu Suplicy, "vereador a quem tenho a maior estima", e também Neri, "a quem tenho respeito". "O que temos combate é aos pichadores, não aos grafiteiros nem aos muralistas", disse Doria, ao dizer que faria um programa para valorizar os grafiteiros. 

Sobre Lula, Doria disse: "Em relação ao outro tema, prefiro não me manifestar em respeito ao estado de saúde de dona Marisa e à família Lula da Silva, que vive neste momento um drama pessoal. Prefiro não me manifestar."  


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.