Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Doria adia em um ano a adoção de cota em concursos públicos

Segundo lei aprovada na Câmara em 2013, 20% das vagas oferecidas para órgãos da Prefeitura têm de ser destinadas a negros

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

25 Novembro 2017 | 06h00

SÃO PAULO - A gestão João Doria (PSDB) adiou em um ano a entrada em vigor das regras para ingresso no serviço público municipal por meio de cotas nos concursos. As normas valeriam a partir do fim deste ano, e agora vão valer apenas a partir de dezembro de 2018. A mudança foi publicada por meio de portaria no Diário Oficial da Cidade.

+++ Nº de pessoas no País que se declara preta ou parda cresce 14,9%

A portaria explica que o adiamento ocorre para adaptação nas regras, aprovadas em 2016, que instituíram as cotas, e também foram detalhadas nesta sexta-feira, 24. A nova redação afirma que, agora, se um candidato que se inscreveu requisitando a reserva de vagas obter pontuação suficiente para aprovação na listagem geral - sem reservas -, seu nome será retirado da listagem com cotas e será incluído na listagem geral.

+++ 'Mercado exclui mais os negros do que universidade'

Se isso ocorrer, o cotista entrará nas vagas comuns. E a pessoa que também solicitou ingresso por cotas e fica imediatamente após esse primeiro candidato e receberá sua vaga. 

+++ Racialização é uma histeria que tem que parar, diz secretário do Rio

A seleção para cargos públicos por meio de cotas é uma lei aprovada pela Câmara Municipal em 2013. Ela diz que 20% das vagas oferecidas em concurso para órgãos da Prefeitura têm de ser destinados a candidatos negros - incluindo aí cargos comissionados. Prevê-se autodeclaração de cor. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.