Donos da boate assumiram o risco de matar, afirma MP

O Ministério Público do Rio Grande do Sul vê indícios de crime hediondo na morte das 235 pessoas na boate Kiss. Em manifestação encaminhada ontem à noite à Justiça, os promotores Joel Oliveira Dutra e Waleska Flores Agostin afirmam que houve "um crime de homicídio qualificado" e que os acusados assumiram "risco de produzir o resultado morte".

DIEGO ZANCHETTA, ENVIADO ESPECIAL , SANTA MARIA, O Estado de S.Paulo

01 de fevereiro de 2013 | 02h00

Os promotores pediram a prorrogação da prisão temporária por 30 dias de Elissandro Spohr e Mauro Londero Hoffmann, sócios-proprietários da boate, e do cantor Marcelo de Jesus dos Santos e do auxiliar da banda Gurizada Fandangueira, Luciano Bonilha. Eles tiveram prisão temporária, de 5 dias, decretada logo após o incêndio.

A manifestação afirma que os indícios demonstram que a casa não tinha segurança. "Estava operando com número bem acima de sua capacidade", diz o MP.

Para o MP, as investigações policiais apontam para falta de equipamentos de combate a incêndio, como extintores, luzes e saída de emergência.

"Houve o uso de artefatos pirotécnicos não permitidos para ambientes fechados e de materiais altamente inflamáveis não permitidos para o isolamento acústico", escrevem os promotores de Santa Maria.

Dutra e Waleska também questionam a atuação dos funcionários da Kiss. "As pessoas contratadas eram despreparadas para lidar com o público em caso de pânico e, ainda por cima, noticiou-se que os seguranças não permitiram a saída dos frequentadores que tentavam fugir."

Bonilha, segundo o MP, adquiria os artefatos pirotécnicos, "com ciência de que não poderiam ser usados em ambiente fechado". O vocalista teria conhecimento do fato e, mesmo assim, utilizava os artefatos pirotécnicos durante as apresentações.

Liberdade. Ontem à tarde, a Justiça gaúcha negou pedido de liberdade de Spohr. A prisão temporária dos quatro suspeitos venceria hoje. "Estamos analisando para ver como vamos pedir a prorrogação da prisão", afirmou o delegado.

Tudo o que sabemos sobre:
Santa MariaKissincêndio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.