Dono do Porsche paga R$ 300 mil de fiança

ESPECIAL PARA O ESTADO

Cida Alves, O Estado de S.Paulo

13 Julho 2011 | 00h00

O engenheiro Marcelo Malvio Alves de Lima, de 36 anos, responderá em liberdade ao processo pela morte da advogada baiana Carolina Menezes Cintra Santos, de 28 anos, após pagar uma fiança de R$ 300 mil fixada pela Justiça. Ela conduzia o Porsche que bateu no Hyundai Tucson da advogada na madrugada de sábado, no Itaim-Bibi, zona sul de São Paulo. Segundo testemunhas, o Porsche estava a 150 km/h. O carro de Carolina foi lançado a 25 metros de distância e ficou prensado contra um poste.

Depoimento. O delegado do 15.º DP (Itaim-Bibi), Paul Henry Verduraz, adiantou que o engenheiro será intimado a depor sobre o acidente assim que receber alta médica. Até a noite de ontem, ele permanecia internado. Verduraz informou ainda que Marcelo Alves de Lima aceitou todas as restrições impostas pela Justiça para a liberdade provisória. Ele está proibido de frequentar bares ou casa noturnas, não poderá sair à noite nem se ausentar da cidade.

O engenheiro foi indiciado por homicídio doloso, quando há intenção de matar. Ele havia sido preso em flagrante e, antes de pagar a fiança, permanecia sob escolta policial no hospital. No dia do acidente, o motorista não permitiu a realização de exames para verificar se havia bebido antes de dirigir.

PARA ENTENDER

O Ministério Público se posicionou contra a liberdade provisória do dono de Porsche, mas a Justiça considerou a Lei 12.403/2011 para calcular a fiança e estabelecer medidas cautelares. Há ainda o fato de o indiciado ser primário, ter ocupação lícita e residência fixa na capital.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.