Dono do Bahamas pede asilo político a 7 países e acusa Kassab

Advogado diz que outros países têm "democracia adulta" e confirma possível candidatura à Prefeitura de SP

Mônica Aquino, do estadao.com.br,

29 de agosto de 2007 | 11h11

O empresário Oscar Maroni, preso em São Paulo desde o dia 14 de agosto, pediu asilo político a sete países, segundo informações de seu advogado, Daniel Majzoub. O pedido foi feito para a Suécia, Dinamarca, Holanda, Alemanha, Canadá, Uruguai e Panamá. Majzoub afirma que os países foram escolhidos por terem "uma democracia mais adulta, onde a questão da prostituição é vista de maneira mais atualizada." O advogado do empresário afirma também que encaminhou uma carta a um senador republicano dos Estados Unidos para explicar o caso de seu cliente e pedir o asilo político.   A defesa do empresário, dono da Boate Bahamas e do Oscar's Hotel, diz também que Maroni não teve chance de se defender das acusações e que se comprometeu a entregar seu passaporte, como garantia que não vai deixar o País. "O asilo político é uma opção", diz Majzoub, argumentando que seu cliente foi absolvido sete vezes da acusação de ter uma casa de prostituição. Para ele, a absolvição mostra que Maroni também não explora a prostituição, não incentiva nem trafica mulheres.   O advogado do empresário diz ainda que seu cliente recebeu convites de dois partidos políticos para concorrer à Prefeitura de São Paulo. "Ele é um potencial candidato, assim como o Kassab (atual prefeito de São Paulo)", afirmou Majzoub. Desde a decisão, por parte da Prefeitura, de fechar o Bahamas e interditar as obras do Oscar's Hotel, a defesa de Maroni tem acusado o prefeito. "Ele se julga acima do poder", diz Majzoub.   "Maroni tem família, quatro filhos e um neto. Ele se dispõe a entregar o passaporte", afirma a defesa, argumentando que o empresário é um "preso político em um regime democrático", já que não teve a chance de prestar depoimento se defendendo das acusações.   Segundo Majzoub, os países sinalizaram de maneira positiva. Porém, para que uma pessoa receba asilo político é necessário aprovação da ONU. "Aguardamos o trâmite burocrático da ONU e já denunciamos o caso para a Human Rights Watch", afirmou o advogado, dizendo que apelou à organização que defende os direitos humanos pelo mundo.   Texto alterado às 11h27 para acréscimo de informações.

Tudo o que sabemos sobre:
Oscar MaroniBar BahamasOscar's Hotel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.