Dono de pet acusado de maus-tratos paga cestas básicas

Clientes denunciaram que sete cães, três gatos e dois coelhos e nove aves estavam há dias sem água, comida e ventilação

José Maria Tomazela , O Estado de S. Paulo

02 Abril 2014 | 18h57

SOROCABA - O dono de um pet shop de Sorocaba, suspeito de maus-tratos contra os animais, vai pagar 20 cestas básicas a uma entidade que acolhe crianças em risco e prestar serviços à comunidade. Ele aceitou a proposta feita nesta quarta-feira, 2, pelo Ministério Público (MP) de reconhecer a culpa e cumprir uma pena alternativa, livrando-se de eventual condenação à pena privativa de liberdade.

Além de pagar as cestas no valor de dois salários mínimos - ou R$ 1.448,00 -, o acusado prestará oito horas semanais de serviços comunitários durante dois meses.

O réu, que em razão do acordo judicial teve a identidade preservada, precisará ainda comparecer a um curso educativo com dois dias de duração. O petshop, que funcionava numa galeria do hipermercado Extra, estava trancado com 47 animais, entre cães, gatos e roedores, em seu interior. Clientes denunciaram que os bichos estavam há dias sem água, comida e ventilação.

Após arrombamento com ordem judicial, foram resgatados sete cães, três gatos, dois coelhos, dois peixes e nove aves. Laudos veterinários atestaram, na época, que os animais sofreram maus tratos - três cães e três gatos, além de alguns roedores, acabaram morrendo.

Mais conteúdo sobre:
maus-tratos animais sorocaba pet shop

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.