Dono de churrascaria é morto na Lapa

Suspeito de matar comerciante de 61 anos em um de seus restaurantes já havia sido seu sócio

CAMILA BRUNELLI , O Estado de S.Paulo

08 Agosto 2012 | 03h03

O comerciante Avelino Fantim, de 61 anos, foi morto na noite de anteontem em uma de suas churrascarias, na Lapa, zona oeste de São Paulo. O crime aconteceu depois das 18 horas, no salão térreo da Central Park, na frente de funcionários. Segundo as testemunhas, o autor do assassinato é Jaime Grokt, de 34 anos, que já foi funcionário e também sócio de Fantim.

A vítima foi alvejada por três disparos - um na cabeça e dois no peito - durante uma discussão sobre negócios. Fantim foi socorrido por policiais militares e, ainda com vida, levado para o Pronto-Socorro da Lapa. Logo depois, ele foi transferido para o Hospital das Clínicas, em Pinheiros, onde morreu.

Grokt está foragido. Ontem à tarde, a advogada do suspeito entrou em contato com o delegado titular do 7.º Distrito Policial (Lapa), Rubens Eduardo Barazal. Ela disse à Polícia Civil que tem a intenção de apresentá-lo nos próximos dias.

"Vamos aguardar um ou dois dias para ver se ele se apresenta, caso contrário, entraremos com uma representação pela decretação de sua prisão temporária", disse Barazal.

O inquérito foi instaurado ontem e ainda hoje as testemunhas devem começar a ser ouvidas pela polícia. "De qualquer forma, há indícios de que ele (Grokt) era um indivíduo propenso à violência. No fim do inquérito, vamos pedir sua prisão preventiva", afirmou o delegado titular.

Segundo Barazal, um outro boletim de ocorrência já fora registrado contra Grokt, no qual ele consta como autor e vítima. O delegado diz se tratar de um "BO confuso". "O que dá a entender aqui é que ele já se envolveu em uma briga, dentro de outro restaurante."

A polícia ainda aguarda pelos resultados dos laudos do Instituto de Criminalística (IC) e do Instituto Médico-Legal (IML), mas a expectativa do delegado é de que o inquérito seja concluído nos próximos 30 dias. Grokt deverá ser indiciado por homicídio doloso qualificado, por impossibilitar a defesa da vítima.

Cena do crime. Na churrascaria onde Fantim foi assassinado foram encontrados R$ 120 e planilhas de gastos. Os objetos foram apreendidos e entregues à família da vítima, após uma perícia ter sido realizada no local.

As duas churrascarias de Fantim amanheceram fechadas ontem. Na porta da unidade da Avenida Ermano Marchetti, a da Lapa, uma folha de sulfite informava que estavam em luto. Os poucos funcionários que foram trabalhar se recusaram a falar com a reportagem. A unidade do Mandaqui, localizada na Avenida Engenheiro Caetano Álvares, na zona norte, também estava fechada e com o mesmo aviso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.