Dona recebe cão, mas diz que não é Pinpoo

Ela pode até usar DNA para confirmar identidade; bicho foi para clínica, após ser achado nas ruas

Elder Ogliari / PORTO ALEGRE, O Estado de S.Paulo

16 Março 2011 | 00h00

A aposentada Nair Flores, de 64 anos, concluiu que o cachorro que recebeu de funcionários do Aeroporto Salgado Filho, na noite de segunda-feira, não é Pinpoo, seu animal de estimação, desaparecido no dia 2 de março em Porto Alegre. Ela se convenceu depois de reexaminar o cão, já tratado e limpo, em uma clínica da zona norte da capital gaúcha, na noite de terça-feira. Mesmo assim, manteve a disposição de avaliar a possibilidade de recorrer a exames de DNA para afastar qualquer dúvida sobre a origem do bicho internado.

A angústia da aposentada começou no dia 2 de março, quando ela contratou os serviços da Gollog para despachar Pinpoo, um filhote de 11 meses, cruza das raças pinscher e poodle, de Porto Alegre para Vitória (ES), de onde o animal seria levado para Guarapari (ES) para acompanhá-la em férias. Como o cachorro não chegou ao destino, a dona voltou a Porto Alegre e passou a procurá-lo diariamente no Aeroporto Salgado Filho. Na busca, chegou a sofrer uma torção de tornozelo, o que a deixou temporariamente impedida de dirigir.

Na segunda-feira, moradores de Alvorada, na região metropolitana de Porto Alegre, enviaram a funcionários do aeroporto um cachorro semelhante a Pinpoo. Nair foi imediatamente ao local, onde encontrou um animal maltratado, com feridas pelo corpo e comportamento estranho.

Embora tenha pelos, olhos e idade semelhantes aos de Pinpoo, o cão não fez festa no encontro e manteve-se indiferente. Como ficou em dúvida, a aposentada internou o cachorro numa clínica, para tratamento e banho.

Pelagem. "Ele podia estar traumatizado por algum sofrimento", supôs, revelando a esperança de ser reconhecida e festejada pelo animal quando ele estivesse bem. O novo encontro, na noite desta terça-feira, foi frustrante. O cão não demonstrou a alegria esperada. Além disso, Nair notou que há diferenças entre a pelagem limpa do animal e a do verdadeiro Pinpoo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.