Werther Santana/AE
Werther Santana/AE

Dona de casa tem chave de parque no Ipiranga

Acesso à garagem é feito pela lateral do Parque da Independência; discussão sobre uso da área já dura 25 anos, desde gestão Jânio Quadros

Luísa Alcalde, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2010 | 00h00

A dona de casa Maria Teresa Gianni Carney, de 61 anos, não é funcionária da Prefeitura, mas ainda assim é a única moradora da capital que tem as chaves do Parque da Independência, no Ipiranga, zona sul de São Paulo.

Todos os dias, sua família abre o portão da área de 30 m², fechada com grades, para acessar a garagem pela lateral da casa, colada ao parque. O imóvel fica na Rua Xavier de Almeida, entre as Ruas Oliveira Alves e Brigadeiro Jordão.

A inusitada situação já dura desde 1985, quando o ex-prefeito Jânio Quadros fechou o Museu Paulista e deu as chaves do portão à família de Maria Teresa.

Desde então, há várias versões para o caso. Enquanto os Gianni alegam tentarem regularizar o uso do acesso há 25 anos, a Prefeitura informa que a área não é pública - mas há documento oficial dizendo o contrário.

A administração do parque, segundo os Gianni, também entrou no imbróglio e tenta reaver chaves e uso do espaço público.

Enquanto a questão não se resolve, recentemente o imóvel avaliado em R$ 400 mil foi vendido para a vizinha de frente. "Ela sabe da pendência. E assumiu o processo antes da aquisição", afirma Maria Teresa.

A casa foi construída pelo avô dela, engenheiro civil, e o projeto original, de 1948, já previa a entrada pela rua lateral. "Era a continuação da Rua Oliveira Alves, na época sem saída. Só anos depois foi incorporada ao parque", conta Maria Teresa.

Segundo a dona de casa, a administração do parque já tentou desapropriar a casa, mas desistiu. Ela cita também projeto para abrir o muro, atrás do museu, para fazer uma passagem com saída para a Rua Nazaré. "Mas depois viram que tomaria área do parque e mudaram de ideia."

Maria Teresa admite que, em vez de usar o espaço apenas como passagem para a garagem, um dos filhos usa a área como estacionamento. Vizinhos já fotografaram pelo menos dois carros parados no terreno. "Tem furto de carro quase diariamente nesse pedaço. Na pressa, ele deixa o carro aí. Já tive propostas de vizinhos para alugar a garagem, mas nunca fiz isso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.